A surpresa do NBB vem de Campina Grande com a Unifacisa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A surpresa do NBB vem de Campina Grande com a Unifacisa

Equipe paraibana conta com uma excelente estrutura para fazer boa campanha em sua estreia na elite do basquete

Marcius Azevedo

28 de outubro de 2019 | 20h44

Debutante no NBB, a Unifacisa está batendo de frente com os grandes times do cenário nacional. A equipe de Campina Grande, na Paraíba, soma três vitórias e apenas uma derrota – para o atual vice-campeão e ainda invicto Franca. O último triunfo foi sobre Bauru, mesmo jogando no temido ginásio Panela de Pressão, na prorrogação.

Qual o segredo da equipe paraibana? Administração e estrutura profissionais.


João Vítor em ação pela Unifacisa. Foto: Daniel Nery/Unifacisa.

Criado dentro de uma universidade, o projeto, que começou em 2012 com o objetivo de incentivar a prática esportiva no campus, foi ganhando corpo ao longo dos anos até o bom desempenho e o título da Liga Ouro, extinto torneio de acesso ao NBB, em 2019.

A Unifacisa funciona como um clube-empresa, que conta com patrocinadores da própria universidade e parceiros locais da iniciativa privada.

A estrutura para os jogadores é excelente. A equipe joga em uma moderna arena que leva o nome da universidade para 2 mil pessoas, com arquibancada retrátil e dois andares de camarotes. O local se assemelha muito aos melhores colégios americanos.

No anexo da arena, existe uma academia de quatro andares, totalmente climatizada e com equipamentos modernos. O espaço ainda conta com uma clínica escola, onde funciona o setor de fisioterapia, nutrição, psicologia e medicina do esporte, tudo à disposição dos jogadores.

As partidas em Campina Grande também são um show à parte, com uma atmosfera sensacional. A Unifacisa coloca em prática o conceito de que o jogo é um espetáculo, com DJ, animador, cherleaders e até telão e jogo de luzes.

Em quadra, o destaque ofensivo é o americano Barnes, que registra média de 17,3 pontos e 4,8 assistências por jogo. O uruguaio Pepo Vidal, Gemadinha, Antônio (com passagens por Franca e Paulistano) e João Vítor, são outras peças importantes.

“Sempre tivemos os pés no chão, desde o início do projeto, e agora mais do que nunca vamos continuar um passo de cada vez. Temos um bom time, apesar de ser jovem e ficamos na expectativa de fazermos uma excelente campanha no NBB e, quem sabe, ser uma das grandes surpresas da competição”, afirmou Eduardo Schafer, gerente técnico da equipe, ao site do NBB.

Tudo o que sabemos sobre:

NBBUnifacisa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: