As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Após perder o pai, Scott Machado ganha nova chance na NBA

Marcius Azevedo

08 de abril de 2013 | 08h37

Além de Tiago Splitter (San Antonio Spurs) e Fab Melo (Boston Celtics), o Brasil poderá ter outro representante nos playoffs da NBA.

O armador Scott Machado, dispensado pelo Houston Rockets no dia 7 de janeiro, assinou um contrato de dez dias com o Golden State Warriors e, caso mostre serviço até o fim da temporada regular, pode fechar para continuar até os playoffs.

Antes de acertar com os Warriors, o brasileiro-nova-iorquino teve seu nome cogitado pelo Memphis Grizzlies, que acabou preferindo um jogador mais experiente: Keyon Dooling, de 32 anos.

Machado, dez anos mais jovem do que Dooling, estava atuando na D-League (Liga de Desenvolvimento da NBA) até acertar o seu retorno à NBA. Ele defendia o Santa Cruz Warriors. Antes disso, o armador jogou pelo Rio Grande Valley, time que ligado ao Houston Rockets.

As médias do brasileiro-nova-iorquino na D’League foram de 8,9 pontos, 5,1 assistências e 2,5 rebotes, em 24 minutos por jogo.

“Foi meio surpreendente quando eu soube, mas estou feliz que tenha acontecido. Você sempre quer que aconteça, mas precisa ter paciência e deixar acontecer, sem colocar muita expectativa”, afirmou Scott Machado à imprensa norte-americana.

A chance de voltar ao principal basquete do mundo ocorre pouco tempo depois de ele viver um drama pessoal. Scott Machado perdeu o pai, que tinha 61 anos, no dia 28 de março, em circunstâncias que ainda estão sendo investigadas.

Luiz Mauro Machado sofreu um ataque cardíaco após ser detido pela Comissão de Táxis e Limusines de Nova York, no Aeroporto Internacional John F. Kennedy, por supostamente atuar sem licença como motorista de táxi. O pedido de ajuda pelos fiscais teria demorado a acontecer. A Procuradoria do Distrito de Queens ainda não emitiu um parecer final sobre o caso.

Confira alguns lances de Scott Machado pelo Santa Cruz Warriors na D’League:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.