Brasil tem concorrência pesada até para convite ao Mundial
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil tem concorrência pesada até para convite ao Mundial

Marcius Azevedo

20 de setembro de 2013 | 11h46

Resta apenas uma vaga direta para o Mundial da Espanha. Sérvia e Itália decidem neste sábado quem vai acompanhar Croácia, França, Lituânia, Eslovênia e Ucrânia, seleções que carimbaram passaporte no EuroBasket, para o torneio do ano que vem.

O que representa este jogo? A definição de mais um concorrente do Brasil para receber um dos quatro convites da Federação Internacional de Basquete (FIBA) para o Mundial.

A Itália tinha tudo para consumar sua vaga nesta sexta-feira, mas acabou surpreendida pela Ucrânia por 66 a 58. Agora os italianos terão de vencer os sérvios, que fizeram uma boa campanha nas duas primeiras fases, mas sofreram derrotas para Espanha e Eslovênia, para não dependerem do convite.

Neste caso, para o Brasil, é melhor torcer para uma vitória da Itália. A Sérvia, claro, também é um forte concorrente, mas os italianos têm uma influência maior no cenário do basquete mundial.

A verdade é que os brasileiros já um esboço razoável de quais serão os seus concorrentes para conseguir uma vaga (mesmo que pela porta dos fundos) para o Mundial.

Além de Itália e Sérvia, Rússia, Turquia e Grécia, outras seleções de tradição que ficaram pelo caminho do EuroBasket, estão na briga, assim como a Alemanha, principalmente se Dirk Nowitzki, estrela do Dallas Mavericks, capaz de lotar ginásios, resolver voltar à seleção alemã.

É possível apontar ainda Nigéria, recheada de jogadores que atuam ou atuaram na NBA e que fracassou no AfroBasket, e China, dona de um mercado atraente no basquete e que também não conseguiu se classificar na Ásia.

Não podemos esquecer ainda da Venezuela, que está atrás do Brasil na disputa, mas fez melhor campanha na Copa América e iniciou um lobby para receber o convite ainda com o torneio disputado em Caracas em andamento. Ainda nas Américas, há o Canadá.

Ou seja, o Brasil, que terá de pagar para concorrer – a FIBA exigiu R$ 1,5 milhão no último Mundial apenas para pleitear o convite -, não conseguiu sua classificação dentro de quadra e ainda deve sofrer para ir ao Mundial fora dela.

Vale lembrar que 19 seleções já estão classificadas. Além da Espanha, país-sede, e dos Estados Unidos, campeões olímpicos, Croácia, França, Lituânia, Eslovênia, Ucrânia, México, Porto Rico, Argentina e República Dominicana, Austrália, Nova Zelândia, Angola, Egito, Senegal, Irã, Filipinas, Coreia do Sul já carimbaram o passaporte para o Mundial.

Sérvia, de Nemanja Nedovic, disputa última vaga contra a Itália (Divulgação)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: