Chamar a seleção americana do Mundial de ‘Dream Team’ beira o desrespeito
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chamar a seleção americana do Mundial de ‘Dream Team’ beira o desrespeito

Sem suas principais estrelas, EUA terão na competição na China jogadores medianos

Marcius Azevedo

16 de agosto de 2019 | 15h56

Michael Jordan, Magic Johnson e Larry Bird reunidos em um mesmo time. Mais Scottie Pippen, Clyde Drexler, Karl Malone, David Robinson, Patrick Ewing, Charles Barkley, John Stockton, Chris Mullin e Christian Laettner, único universitário da seleção americana nos Jogos Olímpicos de 1992. Sem contestação foi apelidado de ‘Dream Team’.

Depois desta equipe, ouro em Barcelona, tivemos outras que também foram definidas como ‘Dream Team’. Agora o time que vai disputar o Mundial da China, que começa no dia 31 de agosto, não pode ser chamado de ‘Dream Team’. Beira o desrespeito defini-lo desta maneira.


A equipe americana que vai disputar o Mundial. Foto: Andrew D. Bernstein/NBAE

As principais estrelas da NBA abriram mão de defender os Estados Unidos na competição. O receio de lesões é o principal motivo da recusa – basta lembrar o que aconteceu com Paul George em 2014, durante os treinos da seleção americana -, seguido de perto pela pressão das equipes.

Dos jogadores que participaram da última edição do All-Star Game, que reúne os melhores da temporada da NBA, apenas dois estão na lista final de 15 atletas que o técnico Gregg Popovich tem para escolher 12 para o Mundial

Nada de LeBron James, James Harden, Stephen Curry ou Kawhi Leonard. São Kemba Walker, agora no Boston Celtics, e Khris Middleton, do Milwaukee Bucks. Kyle Lowry, campeão pelo Toronto Raptors, também estava disponível, mas ele foi cortado nos últimos dias por causa de uma lesão.

A seleção americano para o Mundial será formada por um terceiro time de opções. Há, claro, bons jogadores, como Donovan Mitchell, do Utah Jazz, mas, no geral, é triste ver nomes como Mason Plumlee, Brook Lopez e Harrison Barnes no time principal dos EUA para um torneio tão importante. E olha que P.J. Tucker, de 34 anos, estava na lista,  mas o veterano sofreu uma lesão e deve ser cortado.

Apesar desta situação, os americanos estão entre os favoritos ao título. Agora nunca vamos chamar este equipe, independentemente do resultado na China, de ‘Dream Team’.

Me siga pelo Twitter: @AzevedoMarcius

Tudo o que sabemos sobre:

basqueteNBA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: