Com as maiores folhas salariais, Bauru e Fla decidem o NBB
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Com as maiores folhas salariais, Bauru e Fla decidem o NBB

Equipe paulista ampliou investimento para destronar o rival e vai medir forças com o rubro-negro na decisão do Nacional

Marcius Azevedo

21 de maio de 2015 | 09h21

A matemática no basquete, quase sempre, é exata. Não há resultado sem investimento. A série melhor de três pela final da sétima edição do NBB que começam na terça-feira, na HSBC Arena, no Rio de Janeiro, reúne os dois times de maior folha salarial do país.

Com o objetivo de destronar o Flamengo, que havia conquistado tudo na última temporada, incluindo Estadual, NBB, Sul-Americano e Mundial, o Paschoalotto/Bauru investiu um elevado montante para ter um dos melhores elencos do basquete brasileiro.

A equipe contratou Alex Garcia, Rafael Hettsheimeir, Jefferson Willian e Robert Day para fortalecer um grupo que já contava com ótimos jogadores, como Ricardo Fischer, Murilo e Larry Taylor. O custo, claro, é altíssimo. A folha salarial do time do técnico Guerrinha é de R$ 500 mil mensais.

Hettsheimeir, que jogava na Espanha, foi o principal reforço de Bauru (LNB)

Hettsheimeir, que jogava na Espanha, foi o principal reforço de Bauru (LNB)

O Flamengo não fica muito atrás. Após conquistar inúmeros títulos, o Rubro-Negro abriu os cofres para segurar o argentino Nicolas Laprovittola e o norte-americano Jerome Meyinsse, que tinham propostas para jogar na Europa.

O clube da Gávea ainda investiu um pouco mais e contratou o campeão olímpico Walter Herrmann. A manutenção do elenco e o reforço badalado elevaram o valor da folha salarial para quase R$ 600 mil mensais, um valor superior ao de Bauru.

No entanto, Bauru está em vantagem em quadra. A equipe paulista faturou o título Estadual, assim como o Flamengo, e levou ainda a Liga Sul-Americana e a Liga das Américas, se credenciando para disputar o Mundial de Clubes contra o Real Madrid, no final de setembro ou começo de outubro.

A final do NBB é a chance de o Flamengo manter a hegemonia nacional.

Nicolas Laprovittola exigiu esforço financeiro do Flamengo para renovar (LNB)

Nicolas Laprovittola exigiu esforço financeiro do Flamengo para renovar (LNB)

Por ter melhor campanha, Bauru vai decidir em casa. O problema é que os dois jogos como mandante (o segundo, se necessário) da série não serão no Panela de Pressão. O regulamento da Liga Nacional de Basquete exige capacidade mínima de 5 mil lugares nas finais. O ginásio em Bauru abriga pouco menos de 3 mil. Com isso, os confrontos serão em Marília.

A decisão promete ser empolgante. Bauru e Flamengo são os times mais caros e também os melhores atualmente no basquete brasileiro.

Tudo o que sabemos sobre:

BauruFlamengoLNBNBBPaschoalotto/Bauru

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.