Demissão de Guerrinha é o começo do fim do basquete em Bauru?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Demissão de Guerrinha é o começo do fim do basquete em Bauru?

Treinador foi demitido por causa de corte de investimento; jogadores também serão afetados

Marcius Azevedo

16 de outubro de 2015 | 17h12

A demissão do técnico Guerrinha é sintomática.

Bauru pisou no freio. O principal patrocinador do clube, Rodrigo Paschoalotto, vai diminuir o (até então absurdo) investimento. A temporada 2015-2016 tem boas chances de ser a última com chance de conquistar títulos.

A folha salarial da equipe será enxugada drasticamente.

A saída do treinador foi apenas o primeiro ato da reformulação. No cargo desde 2007, Guerrinha ganhava R$ 50 mil mensais. A intenção é contratar o novo técnico para receber no máximo 50% deste valor.

O elenco também será afetado pela mudança de postura. Não imediatamente. Os contratos em vigor serão cumpridos, apesar do custo de R$ 500 mil mensais, mas dificilmente serão renovados.

Guerrinha ganhava R$ 50 mil mensais

Guerrinha ganhava R$ 50 mil mensais (Divulgação)

A diretoria também não vai segurar nenhum atleta que receber proposta.

Ricardo Fischer, por exemplo, pode ser o primeiro. O armador entrou no radar dos times europeus depois do desempenho contra o Real Madrid e nos jogos pela pré-temporada da NBA. Há inclusive uma cláusula que libera o jogador automaticamente em caso de proposta. A mesma cláusula faz parte do contrato do pivô Rafael Hettsheimeir, maior salário da equipe atualmente.

A diretoria também não fez esforço para tentar contratar Rafael Mineiro. O pivô jogou o Mundial e os jogos da pré-temporada da NBA pela equipe, mas recebeu uma oferta mais vantajosa do Flamengo e Bauru não quis cobrir. O time perdeu ainda (pela diminuição do investimento) disputa por Deryk Ramos com Brasília.

A tendência é que Bauru vá perdendo força nos próximos anos até se tornar um time mediano novamente ou até pior do que isso. O comentário que rola nos bastidores é que seria o início do fim da equipe.

Bauru, por enquanto, não deu explicações sobre a demissão de Guerrinha. Apesar agradeceu ao treinador pelos serviços prestados.

A verdade é que Rodrigo Paschoalotto ficou bastante irritado com o episódio da eliminação do Estadual fora de quadra. A Federação Paulista de Basquete marcou o terceiro jogo da série contra Mogi das Cruzes, pelas quartas de final, para o mesmo dia da viagem para os Estados Unidos e, por isso, Bauru perdeu de W.O.

Na ocasião, em contato com o blog, Rodrigo Paschoalotto, em tom de brincadeira, disse que seria melhor montar uma equipe fraca para não ser punido pelo sucesso. Brincadeira ou não parece ser esse o destino da equipe.

Tudo o que sabemos sobre:

NBBPaschoalotto/Bauru

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.