Fora da NBA e sem jogar desde agosto, Marc Gasol ainda não crava aposentadoria
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fora da NBA e sem jogar desde agosto, Marc Gasol ainda não crava aposentadoria

Jogador espanhol de 36 anos afirma que, neste momento, está treinando para saber o que pretende fazer

Marcius Azevedo

02 de novembro de 2021 | 17h57

Cinco anos mais jovem do que o irmão, Marc Gasol, aos 36, não decidiu se vai seguir os passos de Pau e se aposentar das quadras. Campeão da NBA pelo Toronto Raptors, o espanhol não joga uma partida oficial desde o dia 3 de agosto, na derrota da Espanha para os Estados Unidos, nas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Em entrevista ao podcast La Hora de la Birra, o Marc afirmou que, neste momento, está treinando para decidir qual caminho pretende seguir. “Agora é treinar e treinar para ver até onde me vejo e ver o que quero fazer quando estiver no ponto ideal”, explicou.


Marc Gasol se aposentou da seleção da Espanha após os Jogos de Tóquio. Foto: Aris Messinis / Reuters

As portas da NBA foram fechadas pelo próprio jogador. Ele afirmou que decidiu se afastar por entender que o preço estava alto demais para seguir por lá. Ao todo foram 13 temporadas desde o início com o Memphis Grizzlies, em 2008. A última aparição foi com o Los Angeles Lakers, em 2020-2021, quando disputou 52 jogos, com média de 19 minutos em quadra.

“Teve sorte de jogar muitos anos na NBA. O que eu exijo de mim não é apenas estar presente, mas também ajudar e contribuir. Essa exigência e o que esse ritmo de vida acarreta é um pedágio que já não estava como eu gostaria”, afirmou. “Apaguei todo o quadro e comecei de novo. E agora tenho de treinar. Não faço o que se espera que eu faça. Para fazer algo, tenho de estar convencido.”

Ainda sem definir se vai se aposentar, Marc já adiantou que não pretende se tornar treinador. Ele quer distância do basquete. “É um grande envolvimento e esforço. O ritmo de vida é igual ao de um jogador, muito duro. Hoje não me vejo nesta função. Daqui a alguns anos? Não sei. Eu provavelmente gostaria mais de treinar crianças por ter o retorno de ensiná-los”, finalizou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.