Futuro de Lucas Bebê ainda é uma incógnita
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Futuro de Lucas Bebê ainda é uma incógnita

Marcius Azevedo

16 de julho de 2013 | 08h33

O Atlanta Hawks confirmou o acerto com o pivô Elton Brand. A negociação não teria muita importância em um mercado que teve como principal personagem Dwight Howard, agente livre que deixou o Los Angeles Lakers para defender o Houston Rockets, mas é uma negociação que interfere diretamente no futuro do brasileiro Lucas Bebê.

O também pivô fez na noite de segunda-feira seu terceiro jogo pela franquia na Liga de Verão (derrota para o San Antonio Spurs por 96 a 87), registrou um bom desempenho, principalmente nos rebotes – foram nove, o líder da equipe no fundamento – e continua agradando aos dirigentes do time.

A chegada do veterano de 34 anos, que defendeu o Dallas Mavericks na última temporada – registrou médias 7,2 pontos e 6 rebotes em 72 jogos, sendo 18 como titular -, apresenta dois cenários para Bebê em relação ao aproveitamento imediato na NBA.

O primeiro é positivo. Com um jogador experiente para participar da rotação no garrafão ao lado de Al Horford e Paul Millsap, sem contar Demarre Carroll, que também pode jogar como número 4, Bebê teria menos tempo em quadra, mas menos pressão para desenvolver o seu jogo.

O outro, claro, é negativo. O fato de contratar um jogador da posição do brasileiro pode significar que Danny Ferry, gerente dos Hawks, e o técnico Mike Budenholzer têm um plano diferente para Bebê neste primeiro momento, deixando o pivô mais tempo no basquete espanhol.

Ainda é cedo para prever o que o Atlanta pretende fazer, até porque o mercado está aberto e outros jogadores ainda podem ser contratados.

O importante, na minha avaliação, é planejar muito bem o destino de Bebê. Vejo o brasileiro com muito potencial para dar certo na liga, mas, para isso, precisa ganhar massa muscular (como ocorreu com Nenê) para aguentar o tranco no garrafão.

Neste cenário, eu imagino que o ideal seria segurar o pivô nos Estados Unidos já neste primeiro ano e trabalhá-lo, principalmente fisicamente, para ter um jogador eficiente daqui dois, três anos… Deixá-lo na Espanha pode não ser o melhor caminho.

Vamos aguardar para ver qual será o posicionamento do Atlanta e se os responsáveis pela carreira de Bebê irão concordar com o que for proposto.

Lucas Bebê em ação pelo Atlanta Hawks contra o San Antonio Spurs na Liga de Verão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: