As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Garoto faz 138 pontos em jogo universitário nos EUA

Marcius Azevedo

21 de novembro de 2012 | 10h17

Jack Taylor, armador do Gringell College, pode até não se tornar jogador profissional, mas conseguiu seus 15 minutos de fama. E podemos dizer que ele alcançou isso por mérito.

O garoto anotou impensáveis 138 pontos em uma partida. O feito foi conquistado na vitória sobre Faith Baptist Bible College por 178 a 104.

“Qualquer bola que eu arremessava entrava”, justificou o recordista, que bateu marca de Clarence Francis, que havia anotado 113 pontos na partida entre Rio Grande College of Ohio e Hillside, no longínquo ano de 1954.

“No intervalo, achei que tinha uns 30 pontos, mas o técnico veio me dizer que tinha 58. Aí o time se empolgou e quiseram seguir me dando a bola. Eles não foram nada egoístas, estava muito felizes, e não poderia ficar mais agradecido a eles”, completou.

A marca é também superior ao recorde da NBA, que pertence ao pivô Wilt Chamberlain, que fez 100 pontos na partida entre Philadelphia Warriors e New York Knicks em 1962.

Se Chamberlain estivesse vivo, com certeza, ficaria impressionado. As atuais estrelas da NBA não pouparam elogios aos garoto.

“É loucura. Não importa em qual divisão você jogue: marcar 138 pontos em uma partida é insano”, afirmou Kobe Bryant. O amador do Los Angeles Lakers tem como melhor desempenho 81 pontos em um jogo, perdendo de longe para Taylor.

Estrela do New York Knicks, Carmelo Anthony também não acreditou ao tomar conhecimento do recorde. “Nunca ouvi falar de algo assim. Parece videogame. Como alguém consegue fazer cem arremessos?”, disse.

Na verdade, Taylor fez 108 arremessos para chegar aos 138 pontos. Ele acertou 25 cestas de dois pontos, 27 de três pontos e converteu ainda sete lances livres.

Só mais um detalhe: neste mesmo jogo, David Larson, do Faith Baptist Bible College, fez 70 pontos, mas, diante do que fez Jack Taylor, virou um comentário de rodapé.

Confira vídeo com parte do desempenho de Jack Taylor:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.