Gustavo de Conti é o melhor, mas vale um debate sobre mais um reinício de trabalho
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Gustavo de Conti é o melhor, mas vale um debate sobre mais um reinício de trabalho

Treinador foi escolhido pela CBB para comandar a seleção masculina após quatro anos de trabalho para preparar um sucessor

Marcius Azevedo

20 de setembro de 2021 | 15h54

A seleção brasileira masculina de basquete está em boas mãos.

Gustavo de Conti é o melhor técnico do Brasil há alguns anos, trabalhando em equipes com diferentes grau de investimento (Paulistano e Flamengo) e com uma leitura de jogo acima da média para entender qual o melhor caminho para seguir em quadra.


Gustavo de Conti foi escolhido como o técnico da seleção masculina. Foto: Diego Maranhão/CBB

Dito isso vejo apenas uma questão que há espaço para debate neste momento: os quatro anos com Aleksandar Petrovic não eram para preparar um sucessor?

Cesar Guidetti (atualmente na Unifacisa), Bruno Savignani (seguiu com o croata para o Pesaro, da Itália), e Léo Figueiró (Corinthians) aprenderam muito, sem dúvida, mas não o suficiente para assumir o comando da seleção?

A Confederação Brasileira de Basketball optou por interromper novamente o ciclo de trabalho e escolher o melhor técnico disponível no Brasil, independentemente da presença na comissão técnica de Petrovic.

Certo ou errado? Alguns vão falar que foi correto e outros, não.

Vale lembrar que Gustavinho, assim como José Neto, atualmente técnico da seleção brasileira feminina, fizeram parte da comissão de Rubén Magnano, justamente para serem preparados para assumirem o cargo depois da saída do argentino.

A CBB escolheu retomar o caminho que foi ignorado lá atrás.

Talvez tenha sido importante para o crescimento de Gustavinho. Hoje, certamente, ele está mais preparado fora e dentro de quadra. Conquistou um lastro para assumir como treinador da seleção, o que ele nunca escondeu ser o principal objetivo em sua carreira, negando muitos convites para isso, como o de times na Argentina.

Não há dúvida da capacidade de Gustavinho. A justiça pode ter sido feita alguns anos depois. Boa sorte ao treinador.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.