Hora de mudar o rumo da história no NBB
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hora de mudar o rumo da história no NBB

Marcius Azevedo

14 de agosto de 2013 | 12h26

A Liga Nacional de Basquete, responsável por gerir o NBB, passou vergonha (leia aqui) ao ver o Fluminense desistir da sexta edição do torneio, mesmo após receber um convite para entrar pelas portas dos fundos por apresentar um projeto financeiro.

Pois bem. Não foi só isso que aconteceu na reunião de terça-feira. A LNB errou pela segunda vez ao anunciar os participantes (serão 17 equipes) sem ter uma definição da fórmula de disputa da final.

Pior do que isso: além de ser uma fórmula esdrúxula, a decisão será da Rede Globo, dona dos direitos de transmissão e que, segundo os dirigentes da LNB, funciona como a agência de marketing do campeonato.

Vamos começar pela fórmula. A sugestão da LNB é ter uma decisão em dois jogos, que funcionaria da seguinte forma: em caso de uma vitória para cada lado, o campeão seria conhecido no saldo de cesta. Só pode ser brincadeira! Saldo de cesta? Não dá.

O segundo problema. E o maior! O novo formato, porém, só será colocado em uso com autorização da emissora, que teria de abrir espaço em sua grade para transmitir duas partidas em vez de uma, como aconteceu nos últimos anos, e, claro, encontrar interessados em anunciar no horário do evento.

A pergunta que faço é: a Rede Globo, com a Copa do Mundo pela frente, está dando atenção ao NBB? Eu, com certeza, não estaria.

Então, em vez de acreditar na força da emissora para conseguir parceiros e ficar refém até para escolher o formato da final da competição, não seria melhor pensar em algum outro plano, em inovações, para atrair interessados?

A LNB fez algo muito importante para basquete ao criar o NBB há cinco anos, mas parou no tempo. É hora de sair do estado de letargia.

A Rede Globo vai continuar como parceria da LNB, até porque o contrato vai até o final de 2018, e nem acho que seja culpa da emissora, mas, contar com ela para tudo, é um retrocesso. É hora de agir.

Por fim, vou deixar um elogio. Pelo menos, para o NBB6, a LNB fez uma correção que considero importante no formato dos playoffs (leia aqui um post sobre o tema). Agora o time de melhor campanha vai disputar os dois primeiros jogos em casa e não mais fora como acontecia. Isso só prova que é possível mudar quando se está no caminho errado.

Tudo o que sabemos sobre:

Liga Nacional de BasqueteNBBRede Globo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: