Jogador do Miami Heat usa expressão antissemita em transmissão ao vivo, é afastado e NBA abre investigação
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Jogador do Miami Heat usa expressão antissemita em transmissão ao vivo, é afastado e NBA abre investigação

Meyers Leonard estava jogando "Call of Duty" quando usou o termo "kike"

Marcius Azevedo

10 de março de 2021 | 16h34

A NBA abriu investigação e pode punir o pivô Meyers Leonard, do Miami Heat, por ter proferido uma ofensa antissemita quando jogava “Call of Duty” em uma transmissão ao vivo. Irritado com os snipers na partida de Warzone, o jogador de 29 anos, que já foi afastado pela franquia por tempo indeterminado, usou a expressão “kike bitch” (vadia judia, em tradução livre) ao falar de outro jogador. O termo é depreciativo aos judeus e era utilizado por supremacistas brancos.

O vídeo da ofensa logo viralizou nas redes sociais. A NBA se posicionou de imediato, abrindo uma investigação sobre o caso. O Miami Heat, logo depois, postou um comunicado nas redes sociais, em que informou o afastamento do jogador. Leonard já estava fora de combate por causa de uma lesão no ombro.


Meyers Leonard está sem jogar por causa de uma lesão no ombro. Foto: Scott Taetsch/GETTY IMAGES/ AFP

“O Miami Heat condena o uso de qualquer forma de discurso de ódio. As palavras usadas por Meyers Leonard foram erradas e nós não vamos tolerar linguagem de ódio de qualquer pessoa associada à nossa franquia”, publicou o Miami Heat. “Ouvir isso de um jogador do Miami Heat é especialmente decepcionante e doloroso. Meyers Leonard estará fora do time indefinidamente. O Miami Heat vai colaborar com a NBA enquanto forem conduzidas as investigações”, acrescentou.

A enorme repercussão fez o pivô publicar um pedido de desculpas nas redes sociais. “Lamento profundamente por usar uma injúria antissemita durante uma transmissão ao vivo. Embora eu não soubesse o que a palavra significava na ocasião, minha ignorância sobre sua história e o quão ofensivo é para a comunidade judaica não é absolutamente uma desculpa e eu estava simplesmente errado. Agora estou mais ciente de seu significado e comprometido em buscar adequadamente pessoas que possam ajudar a me educar sobre esse tipo de ódio e como podemos combatê-lo. Eu reconheço meus erros, e não há como fugir de algo assim que é tão doloroso para outra pessoa. Esta não é uma representação adequada de quem eu sou, e eu quero me desculpar com os Arisons (família que é dona do Miami Heat), meus companheiros de equipe, treinadores, dirigentes e todos os membros da organização Miami Heat, minha família, nossos fãs leais e outros na comunidade judaica que eu machuquei. Prometo fazer melhor e sei que minhas ações futuras serão mais poderosas do que o uso desta palavra.”

Apesar disso, o jogador do Miami Heat teve encerrado uma parceria que tinha com a faze. A organização, uma das maiores de eSports, tinha alguns jogadores da NBA em seu casting, entre eles Leonard.

Tudo o que sabemos sobre:

NBAMiami Heat

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.