Jovem de Carapicuíba faz ‘vakinha’ para ir jogar basquete em universidade nos EUA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Jovem de Carapicuíba faz ‘vakinha’ para ir jogar basquete em universidade nos EUA

Wallace Gonçalves recebeu 100% de bolsa do Lake Land College e, aos 20 anos, vai embarcar para o sonho de entrar na NBA

Marcius Azevedo

02 de julho de 2020 | 10h00

O sonho de criança de jogar na NBA está um pouco mais próximo. Criado em Carapicuíba, periferia de São Paulo, onde mora na Cohab V com os pais (Debora Regina e Hamilton Pereira) e irmãos, Wallace Gonçalves, ou apenas Wall, planeja embarcar para os Estados Unidos em agosto. Para isso, sua família realiza uma ‘vakinha’ virtual (ajude aqui) para bancar os custos da viagem e dos primeiros dias por lá após o dólar disparar.

O brasileiro de 20 anos e 2,07m de altura ganhou 100% de bolsa para estudar fisioterapia e jogar pelo Lake Land College, faculdade que fica em Mattoon, Illinois. A meta é arrecadar R$ 20 mil. Até aqui já foram doados R$ 14.908,13.


Wallace vai estudar e jogar por universidade de Chicago. Foto: Arquivo Pessoal

Wallace terá de ficar 15 dias em um outro país antes de entrar nos Estados Unidos por causa da proibição da entrada de pessoas vindas do Brasil. Porto Rico e Equador são possíveis alternativas após pensar primeiramente em ficar no Panamá.

“Não está nada definido, estamos escolhendo o melhor destino. A programação prevê o início das aulas em 24 de agosto. Tenho de chegar uns 10 dias antes para um período de adaptação”, explicou Wallace.

Ele vai retornar aos Estados Unidos após uma passagem de seis meses por uma high school na Carolina do Norte. E como ele foi parar lá? O treinador Darryl Harris viu os vídeos dele jogando no Brasil por intermédio de um amigo chamado Willian e ficou impressionado.

“Ele me viu pela internet, um amigo passou o meu contato, falamos por WhatsApp e fui para lá. Foi muito importante. Fiquei lá seis meses, aprendi muita coisa. Não pude estudar como vou fazer agora, mas foi um grande aprendizado”, contou. “Recebi diversas ofertas de faculdades e escolhi aquela que mais me identifiquei.”

View this post on Instagram

I know my purpose

A post shared by H.WALL (@wallaacee_) on

Wallace começou no basquete com 11 anos, no projeto bis no Mackenzie Tamboré, depois passou pelo Paulistano (entre os 14 e 17 anos), defendeu o Bauru e depois foi para o Palmeiras antes de embarcar para o sonho nos Estados Unidos.

A trajetória foi toda construída ao lado da família, sem ajuda de um empresário. “Eles são minha base, minha inspiração… Meu pai foi jogador. Mesmo com tudo que acontece, da realidade que vivemos aqui, é possível sonhar. Você precisa ter foco no que você quer. Não deixar nada te levar para nenhum outro caminho”, afirmou. “Tive amigos que se perderam”, revelou.

Estudar e jogar nunca foi um problema. “Você precisa entender que pode não dar certo, que precisa ter uma formação”, afirmou. “Sempre conciliei muito bem”, completou Wallace, que estudou em colégio público em toda sua vida.

A princípio, Wallace vai jogar na NJCAA Division 1, mas, se conseguir se destacar pela Lake Land College, há chance de ir para uma universidade da NCAA, porta de entrada para atuar na NBA. “Claro que sonho com isso. Fico imaginando entrar naquelas quadras e ver minha família lá assistindo.”

View this post on Instagram

📝🏀 I love it . . 📽@joao.andreatta

A post shared by H.WALL (@wallaacee_) on

O caminho, claro, é árduo, mas o garoto de Carapicuíba não pensa em desistir. Quer evoluir todos os dias em quadra. “Nunca posso ter um jogo fechado, tenho de levar a bola, jogar de frente, dentro do garrafão…”, disse Wallace, que é fã de Kevin Durant, campeão da NBA pelo Golden State Warriors e atualmente no Brooklyn Nets.

A jornada começa em breve, sozinho, mas logo ele poderá levar os pais, sua base sólida, para ficar ao seu lado. A namorada Giovana também terá de esperar um pouquinho para segui-lo.

Tudo o que sabemos sobre:

basqueteNBA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: