Lakers realizam ‘peneira’ para definir contratação de pivô
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lakers realizam ‘peneira’ para definir contratação de pivô

Dwight Howard, Joakim Noah, Mo Speights e Marcin Gortat vão passar por treinos individuais antes de uma decisão da franquia

Marcius Azevedo

20 de agosto de 2019 | 17h27

O Los Angeles Lakers vai contratar um pivô para ocupar o lugar de DeMarcus Cousins, que rompeu o ligamento cruzado do joelho esquerdo e ficará pelo menos oito meses sem jogar. Quem será? Existem quatro nomes, todos eles conhecidos, mas nenhum passa 100% de confiança.

A franquia da Califórnia vai realizar, segundo o jornalista Adrian Wojnarowski, treinos individuais para sanar suas dúvidas antes de tomar uma decisão. Dwight Howard (ele mesmo!), Joakim Noah, Mo Speights e Marcin Gortat são os escolhidos para enfrentar uma ‘peneira’ pela vaga na equipe de LeBron James.


Dwight Howard não deixou saudades nos Lakers. Foto: Kevin Kolczynski/Reuters

Dos quatro, apenas Dwight Howard, 33 anos, que não deixou nenhuma saudade nos torcedores dos Lakers, tem contrato ativo. O pivô tem acordo com o Memphis Grizzlies por mais uma temporada, com um salário de U$5,603,850. A franquia não faria qualquer esforço para segurá-lo.

As outras opções são Joakim Noah, Mo Speights e Marcin Gortat.

Noah esteve com os Grizzlies na última temporada, está livre no mercado, mas, aos 34 anos, sofre com um longo histórico de lesões.

Speights, de 32 anos, jogou na última temporada na China e estava no radar dos Lakers mesmo antes da lesão de Cousins e tem aprovação do técnico da equipe, Frank Vogel.

Por fim, o polonês Gortat, de 35 anos, está livre desde fevereiro, quando foi liberado do contrato com o Los Angeles Clippers.

Nenhuma escolha parece interessante neste momento, mas será necessário um pivô – conta apenas com JaVale McGee no elenco – para que Anthony Davis, astro contratado para formar dupla com LeBron, não seja forçado a atuar na posição cinco.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.