As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lakers sofrem risco real de ficar fora dos playoffs

Marcius Azevedo

09 de janeiro de 2013 | 10h58

Kobe Bryant, Dwight Howard, Pau Gasol e Steve Nash reunidos na mesma equipe. Ninguém (ou quase ninguém) ousou duvidar do sucesso do Los Angeles Lakers na temporada. Foi apontado de imediato como favorito para disputar o título contra o campeão Miami Heat.

O basquete, no entanto, não é uma ciência exata. A tal química, de fato, precisa existir para que os talentos individuais possam convergir para um bom desempenho coletivo.

O responsável por conseguir essa química inicialmente era Mike Brown. O treinador, no entanto, viu o time não ter força ofensiva, patinar no começo da temporada, vencer um jogo aqui, perder dois, três lá… Os donos dos Lakers entenderam que não iria funcionar e trocaram o comando da equipe.

O clamor público era para o retorno de Phil Jackson. Os torcedores, em um Staple Center lotado, pediram o retorno do 11 vezes campeão da NBA – cinco pelos Lakers e seis pelo Chicago Bulls -, mas Mike D’Antoni foi o escolhido.

Pouca coisa mudou. Os Lakers continuam parecendo um time sem alma. Sem Howard e Gasol, lesionados, o time californiano perdeu mais uma partida na noite de terça-feira, agora para o Houston Rockets por 125 a 112, acumula quatro derrotas consecutivas.

Com uma campanha de 15 vitórias e 19 derrotas, o risco de ficar fora dos playoffs, o que era algo inimaginável no começo da temporada, agora é real. Na 11ª colocação na Conferência Oeste, o Los Angeles veem Portland Trail Blazers (19 vitórias e 15 derrotas) e Denver Nuggets (20 vitórias e 16 derrotas), sétimo e oitavo, respectivamente, se distanciarem.

“Temos que ter um pouco mais de atenção nos detalhes”, afirmou Mike D’Antoni após mais uma derrota. “Podemos fazer mais como time”, completou.

O que mais impressionou na derrota para os Rockets foi o comportamento defensivo. Os jogadores foram passivos na marcação. Não à toa levaram 125 pontos, com o Houston ostentando um desempenho impressionante de 55% de acerto nos arremessos (48 de 87 tentativas).

No ataque, Steve Nash, que se tornou o quinto maior jogador da NBA em assistências, fez 16 pontos e deu 10 passes para certas. Kobe fez 20 pontos, deu sete assistências e pegou cinco rebotes. Outro destaque foi Metta World Peace, ex-Ron Artest, que fez 24 pontos e amealhou seis rebotes.

Depois de mais uma derrota, Magic Johnson, terá muito mais para escrever em sua conta no Twitter. Antes do jogo contra o Houston, ele já havia detonado o time.

“Estou cansado de reclamar do treinador. A responsabilidade é dos jogadores dos Lakers”, escreveu. “Eles precisam começar a se divertir em quadra e entender o que significa ser um jogador dos Lakers. Os torcedores ficam sempre na expectativa quando o time veste o uniforme roxo e dourado”, completou.

A tabela, no entanto, não ajuda. Ainda sem Howard e Gasol, os Lakers enfrentam na sequência o San Antonio Spurs (nesta quarta-feira) e o Oklahoma City Thunder (na sexta-feira). Os meteorologistas preveem nuvens ainda mais cinzentas pelos lados de Los Angeles.

Confira os melhores momento da derrota dos Lakers para os Rockets:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.