Lebron, Love e Irving, o novo “Big Three” da NBA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lebron, Love e Irving, o novo “Big Three” da NBA

Kevin Love vai formar com LeBron e Kyrie Irving um trio tão poderoso quanto o que Lebron formou com Wade e Bosh em Miami

Marcius Azevedo

07 de agosto de 2014 | 14h00

LeBron James nunca trocaria o certo pelo duvidoso.

O astro calculou cada passo em seu retorno ao Cleveland Cavaliers. Negociou pessoalmente com Mike Miller e James Jones, que jogaram com ele no Miami Heat e que já assinaram contrato, além de tentar convencer Shawn Marion e Ray Allen a seguirem o mesmo caminho.

O pulo do gato para conquistar o título que deixou escapar em 2007 foi efetivado nesta quinta-feira. A negociação só será oficializada em 23 de agosto, mas os Cavs contrataram um reforço que o transformaram em favorito ao título da NBA.

Kevin Love, que registrou impressionantes médias de 26,1 pontos e 12,5 rebotes na última temporada pelo Minnesota Timberwolves, foi adquirido pelo Cleveland em uma negociação que envolveu os dois últimos jogadores escolhidos na primeira posição do draft.

Para ficar com o pivô que há tempos estava insatisfeito no fraco Minnesota, os Cavs liberaram Andrew Wiggins, primeira escolha em 2014, e Anthony Bennett, primeira em 2013, além de uma escolha protegida de primeira rodada em 2015.

A contratação só não foi anunciada porque uma regra da NBA diz que um jogador escolhido no draft precisa ficar pelo menos um mês em sua equipe antes de ser envolvido em uma troca. É o caso de Andrew Wiggins.

Love e LeBron na conquista em Londres-2012

A chegada de Love, outra negociação costurada por LeBron – foram companheiros na conquista do outro nos Jogos Olímpicos de Londres -, faz com que o Cleveland tenha um trio no mesmo nível do que bicampeão pelo Miami Heat, formado por Dwyane Wade, Chris Bosh e, claro, LeBron.

LeBron, Love e o talentoso armador Kyrie Irving são o mais novo “Big Three” da NBA. Com o trio, além do brasileiro Anderson Varejão – titular na minha opinião – e um banco recheado de experiência, o Cleveland vai brigar (e com boas chances) pelo título.

A torcida dos Cavs, que demorou quatro anos para esquecer a traição de LeBron, com certeza, já esfrega as mãos para o início da temporada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.