Luis Scola, sempre ele!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Luis Scola, sempre ele!

Marcius Azevedo

12 de agosto de 2013 | 11h04

A seleção brasileira perdeu para a Argentina por 85 a 80 no Ginásio Newton de Faria, em Anápolis, domingo, na final do Super Four, torneio de preparação para a Copa América.

A derrota não significa muita coisa. O Brasil ainda faz mais um amistoso nesta terça-feira, contra o Uruguai, no ginásio do Paulistano, em São Paulo, e depois o técnico Rubén Magnano vai anunciar os cortes para o torneio que será disputado na Venezuela e classifica quarto países para o Mundial da Espanha no ano que vem.

O que quero fazer neste post é escrever sobre Luis Scola. Citado como exemplo por Magnano recentemente para os jogadores brasileiros que optaram por pedir dispensa da seleção – é o jogador da NBA que mais serviu o seu país de 2000 para cá -, o ala-pivô mais uma vez demoliu o Brasil.

É incrível como ninguém (e não estou me referindo apenas ao jogo de domingo) consegue minimizar os estragos que o jogador de 33 anos produz em quadra.

Em Anápolis, Scola terminou como cestinha da partida ao anotar 26 pontos. Foram oito de 14 nos arremessos de quadra (56% de aproveitamento), com três de cinco nas bolas de três pontos (60% de eficiência!!!) e mais 100% nos lances livres (7/7).

Os números comprovam que o ala-pivô, que já era muito eficiente próximo da cesta, gênio na arte de usar o pick-and-roll para sempre arremessar livre de marcação, agora também tem melhorado, e muito, o jogo fora do garrafão.

Ninguém esquece também os 37 pontos que Scola anotou contra o Brasil no Mundial de 2010, disputado na Turquia. À época, os argentinos venceram por 93 a 89 e avançaram às quartas de final da competição. O ala-pivô registrou 14 de 20 nos arremessos, um aproveitamento de 70%, mesmo sendo marcado muitas vezes por dois brasileiros.

Outro jogo emblemático ocorreu nos Jogos Olímpicos de Londres, ano passado. A vitória da Argentina sobre o Brasil por 82 a 77 pelas quartas de final contou com 17 pontos (cestinha do time) de Luis Scola. Ele acertou 6 de 12 dos arremessos.

Antes do confronto na Olimpíada, o ala-pivô já havia anotado 24 e 32 pontos, respectivamente, nas partidas válidas pelo Pré-Olímpico de 2011, disputado em Mar del Prata, na Argentina. Derrota na fase de classificação e vitória na decisão do torneio.

Luis Scola, que vai defender o Indiana Pacers na próxima temporada da NBA, será sempre lembrado pelo excelente desempenho contra o Brasil. Não tem jeito. É sempre ele!

Luis Scola, mais uma vez, teve bom desempenho contra o Brasil

Tudo o que sabemos sobre:

ArgentinaBrasilLuis Scola

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.