‘Meu foco não é ultrapassar barreiras’, diz Andreia Silva, 1ª mulher a apitar um jogo de basquete no masculino na Olimpíada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Meu foco não é ultrapassar barreiras’, diz Andreia Silva, 1ª mulher a apitar um jogo de basquete no masculino na Olimpíada

Árbitra brasileira trabalhou na vitória dos Estados Unidos sobre o Irã em Tóquio

Marcius Azevedo

28 de julho de 2021 | 14h56

A árbitra Andreia Regina Silva fez história nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A brasileira se tornou a primeira mulher a apitar uma partida do torneio masculino na história da Olimpíada. Mas o feito alcançado na vitória dos Estados Unidos sobre o Irã não modifica o comportamento da profissional.

Aos 41 anos, Andreia foi escolhida para apitar em Tóquio justamente pela postura que teve ao longo da carreira. “Meu foco não é ultrapassar barreiras, quebrar recordes, é uma coisa natural. Meu foco é trabalhar de uma forma profissional, séria, fazendo aquilo que eu amo. A consequência de um trabalho sério é certamente colher bons frutos. Tudo acontece para quem trabalha com seriedade e profissionalismo”, afirmou. “Meu foco não é quebrar barreiras. As coisas acontecem naturalmente”, reforçou.


Andreia Regina Silva ao lado de Draymond Green no jogo entre EUA e Irã. Foto: FIBA

Para ela, apitar Estados Unidos e Irã foi tão importante quanto trabalhar em Espanha e Coreia do Sul, jogo que marcou sua estreia em Jogos Olímpicos. A partida abriu o torneio feminino e Andreia trabalhou ao lado de Ferdinand Pascual (Filipinas) e Kingsley Ojeaburu (Nigéria).

Na quarta-feira, quando se tornou a primeira mulher a apitar uma partida do torneio masculino, a brasileira formou o trio de arbitragem ao lado de Antonio Conde (Espanha) e Yohan Rosso (França).

“Fiquei muito feliz de ser escalada para o masculino e também para o feminino, porque isso mostra que tenho capacidade de trabalhar em ambos”, afirmou Andreia. Nada de comemorar antes da hora. “Agora é seguir focada. A Olimpíada não acabou. Temos mais jogos, quem sabe ser escalada para mais jogos no masculino ou feminino. O importante é estar na equipe e fazendo o meu melhor.”

Tudo o que sabemos sobre:

basqueteOlimpíada 2020 Tóquio

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.