NBB vive proliferação de ex-auxiliares como treinadores
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

NBB vive proliferação de ex-auxiliares como treinadores

Cinco equipes apostam em profissionais que há algum tempo estavam no clube na oitava edição do torneio nacional

Marcius Azevedo

24 de dezembro de 2015 | 15h06

César Guidetti (Pinheiros), Cristiano Ahmed (São José), Danilo Padovani (Mogi das Cruzes), Cristiano Grama (Minas) e agora Bruno Savignani (Brasília). O que esses treinadores têm em comum? Eram auxiliares há até pouco tempo. A oitava edição do NBB vive uma proliferação de novos valores no banco.

Os dirigentes dessas equipes decidiram dar oportunidade para profissionais que há algum tempo trabalhavam no clube, mas que sempre viveram à sombra de treinadores. Guidetti e Ahmed são os que há mais tempo estão na função. Ambos assumiram o cargo de treinador principal no começo da temporada, em julho.

No Paulista, com um grupo jovem, Guidetti levou o Pinheiros às quartas de final, quando foi eliminado pelo Rio Claro. Ahmed foi mais longe. Surpreendeu com o São José e conquistou o título com um time modesto, montado sem muito dinheiro, derrubando o favorito Mogi das Cruzes.

A derrota na decisão do Estadual foi o estopim para o fim da passagem do Paco García pelo Mogi das Cruzes. A diretoria optou por repetir o que fizeram Pinheiros e São José e escolheu Danilo Padovani para assumir o time. Auxiliar do espanhol desde 2012, ele registra sete vitórias e cinco derrotas e terminou o ano na 4ª colocação do NBB.

Danilo Padovani com os jogadores do Mogi das Cruzes (Divulgação)

Danilo Padovani com os jogadores do Mogi das Cruzes (Divulgação)

A campanha do Minas é quase idêntica. Sob o comando de Cristiano Grama, os mineiros estão na 5º colocação, com sete vitórias e seis derrotas. O treinador foi auxiliar da equipe por quatro temporadas até assumir o lugar de Demétrius Ferracciú, que foi para Bauru.

Por fim, agora é Brasília que aposta na efetivação do auxiliar. Após quatro temporadas como assistente, quando trabalhou com José Carlos Vidal e Sergio Hernández, Bruno Savignani estreia como treinador no dia 9 de janeiro, justamente contra o Minas, em casa, no Ginásio da ASCEB.

A campanha dos ex-auxiliares só comprova que fugir da mesmice, às vezes, pode ser bastante positivo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.