Formato dos playoffs do NBB precisa mudar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Formato dos playoffs do NBB precisa mudar

Marcius Azevedo

28 de abril de 2013 | 15h12

Franca, classificado em quinto e que eliminou Liga Sorocabana nas oitavas de final, e Bauru, o quarto, fizeram neste domingo o primeiro confronto das quartas de final do NBB. A equipe do técnico Lula Ferreira venceu por 72 a 69 e abriu 1 a 0 na série melhor de três.

O jogo foi legal, bem disputado… O problema é que Bauru, na minha avaliação, foi prejudicado. Não, o árbitro não favoreceu o time da casa. O erro é justamente o primeiro jogo da série ter sido disputado no ginásio Pedrocão, em Franca.

Os responsáveis pelo NBB precisam rever o formato dos playoffs. Bauru teria de ter alguma vantagem por ser feito melhor campanha, começando o mata-mata em casa, no Panela de Pressão.

Claro que os próximos dois jogos serão em Bauru, com possibilidade de o time do técnico Guerrinha reverter para 2 a 1, mas perder o primeiro jogo traz uma pressão enorme sobre os ombros da equipe.

Basta ver o esforço que o Pinheiros precisou fazer para eliminar Limeira das oitavas de final após perder o primeiro jogo da série fora de casa. O time da Capital foi derrotado na sequência, em seu ginásio, e só aí emplacou três vitórias consecutivas para avançar.

A NBA precisa servir de exemplo para o Brasil. A equipe de melhor campanha na temporada regular faz os dois primeiros jogos em casa e só depois viaja para duas partidas no ginásio do rival.

Aproveito para criticar também o fato de o título ser decidido em jogo único. Sei que há interesse de ter o basquete em TV aberta e que não há grade para comportar cinco jogos, mas não dá para ter um campeonato longo, bem disputado, resolvido em uma partida.

Para o basquete nacional continuar crescendo é necessário rever alguns conceitos, entre eles o formato dos playoffs e da final.

Léo Meindl (esq.) fez 14 pontos para Franca (Divulgação)

Tudo o que sabemos sobre:

BauruFrancaLImeiraPinheiros

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.