Palmeiras ajuda garoto com grave doença respiratória
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palmeiras ajuda garoto com grave doença respiratória

Marcius Azevedo

26 de fevereiro de 2014 | 10h24

O Palmeiras/Meltex comemorou mais do que o resultado positivo (vitória por 86 a 63) contra o Universo/Goiânia, pelo NBB. A noite de terça-feira no ginásio Palestra Itália foi especial para o garoto Lucas Neres, de 16 anos.

Fã do basquete alviverde, ele sofre de uma grave doença respiratória e necessita de um transplante de pulmão que só pode ser realizado no Canadá.

Quando bebê, Lucas teve de retirar o pulmão esquerdo e o direito funciona com apenas 25% da capacidade. Para respirar, o garoto precisa usar um balão de oxigênio 24 horas por dia.

Por isso, o departamento de basquete do Palmeiras, com a ajuda da Academia Store e da Meltex, realizou uma ação beneficente na partida contra o Goiânia para tentar ajudá-lo com o transplante.

O garoto Lucas durante o Hino Nacional no Palestra Itália (Fabio Menotti/Divulgação)

Pouco mais de R$ 4,2 mil foram arrecadados com a bilheteria do jogo e serão entregues ao garoto. Lucas ainda ganhou camisas autografadas do clube para utilizá-las em rifas ou leilões.

Além da ajuda financeira, o Palmeiras também fez Lucas se sentir membro da equipe ao anunciá-lo no sistema de som do ginásio antes da partida. O garoto ainda cantou o Hino Nacional ao lado dos jogadores.

A ação do Palmeiras foi apenas o primeiro passo. Lucas precisa de US$ 300 mil para realizar o transplante no Canadá. A caminhada ainda é longa, mas, com certeza, não falta garra ao palmeirense.

“Tenho certeza que ele conseguirá tudo o que quer, pois é um guerreiro, um vencedor”, afirmou o técnico Betão. “É um garoto fantástico. Demos o primeiro passo para que ele consiga fazer o transplante e essa energia que ele transmite só nos faz pensar que ainda terá muitas alegrias em sua vida”, reforçou o armador Neto.

Tudo o que sabemos sobre:

basqueteLucas NeresPalmeiras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.