As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Phil Jackson é a salvação para os Lakers

Marcius Azevedo

10 de novembro de 2012 | 16h44

A torcida pediu em coro na vitória sobre o Golden State Warriors, os jogadores concordaram nas entrevistas… Mas não precisava de tudo isso para que os dirigentes do Los Angeles Lakers fossem atrás de Phil Jackson para assumir o lugar de Mike Brown, demitido na sexta-feira.

O dono da franquia californiana deveria implorar para o treinador de 67 anos voltar da aposentadoria para colocar o time nos trilhos.

Cinco vezes campeão com os Lakers, Phil Jackson, também dono de seis títulos com o Chicago Bulls, seria fundamental não apenas pelo conhecimento tático (alguém precisa arrumar o ataque), mas principalmente pelo poder de convencimento.

Phil Jackson talvez seja o único treinador neste momento capaz de inspirar os jogadores dentro de quadra. Ele terá o respeito das estrelas da equipe, algo que Mike Brown não conseguiu.

Basta ver o que Kobe Bryant disse sobre o possível retorno do treinador. “Ele ensina os jogadores a serem pensadores. Ele ensina as pequenas nuanças, os detalhes intrincados do jogo que nem todos sabem. Não é culpa do restante, mas, quando falamos de basquete, ele está na classe dos gênios”, afirmou o ala.

O espanhol Pau Gasol reforçou o discurso. “Os gritos dos torcedores foram altos e claros. Phil significa muito para esta cidade, para esta franquia e para qualquer jogador que tenha sido treinador por ele.”

Agora é aguardar. As informações da imprensa norte-americana dão conta de que os dirigentes do Lakers já procuraram o treinador. Querem saber se ele, de fato, está disposto a se envolver 100% com o time na temporada.

Mike D’Antoni é o plano B, é um ótimo treinador, mas a contratação de Phil Jackson seria a salvação da lavoura para os Lakers que começaram a temporada com o pé esquerdo. A chegada do treinador significaria se tornar favorito ao título.

Confira o vídeo dos torcedores pedindo o retorno de Phil Jackson:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.