Presidente da CBB confia em vaga direta na Olimpíada de 2016
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Presidente da CBB confia em vaga direta na Olimpíada de 2016

Carlos Nunes admite momento financeiro desesperador, mas nega dívidas que possam impedir Brasil de ir aos Jogos do Rio

Marcius Azevedo

18 Março 2015 | 11h54

“Vamos ter vaga direta na Olimpíada.”

Quem garante é o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Carlos Nunes. O dirigente concedeu entrevista exclusiva ao blog por telefone, de Brasília, onde se reuniu com o Ministro do Esporte, George Hilton. Ele busca sepultar qualquer dúvida sobre o assunto.

A Federação Internacional de Basquete adiou para o dia 30 de junho o anúncio da confirmação da vaga direta ao Brasil por ser país-sede. Reportagem publicada nesta quarta-feira pelo UOL Esporte indicou que tal atitude foi tomada por causa de uma dívida da CBB por causa do convite ao Mundial masculino, realizado na Espanha, no ano passado.

O secretário-geral da Fiba, Patrick Baumann, inclusive viria ao Brasil nas próximas semanas para discutir o assunto com o Ministro do Esporte e Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil e da Rio-2016.

Nunes admite (como sempre faz) que o momento financeiro da CBB continua desesperador. A dívida no final de 2013 era de R$ 9,5 milhões e o balanço de 2014, que será publicado até o final de abril, será ainda pior.

Mas nega o débito referente ao convite do Mundial. “Estamos cumprindo tudo que foi combinado. É uma situação que vai muito além do dinheiro que temos de pagar. Há muitos itens que temos de cumprir. O prazo é até 2016”, disse.

A dívida apenas pelo convite, segundo o UOL Esporte, é de US$ 600 mil (R$ 1,9 milhão) e que metade deste valor já deveria ter sido pago em fevereiro. Existiriam outros débitos da CBB com a Fiba.

Carlos Nunes confia na vaga direta para os Jogos do Rio de Janeiro

Carlos Nunes confia na vaga direta para os Jogos do Rio de Janeiro

O presidente da CBB confia na entrada de um patrocinador para superar os problemas financeiros. “A culpa não é nossa, perdemos o patrocinador e o ministro tem conhecimento da situação. Estamos com dificuldades financeiras, não podemos negar, mas estamos finalizando um acordo de patrocínio que vai resolver tudo disso”, garante Carlos Nunes, que está em Brasília justamente para acelerar o processo de negociação.

O dirigente negou ainda com veemência que Patrick Baumann ou o novo presidente da Fiba, Horacio Muratore, vão vir ao Brasil apenas por causa da preocupação com os rumos da gestão da CBB.

“Eles foram convidados para um evento no Uruguai para comemoração dos 100 anos da Federação Uruguaia de Basquete (FUBB). Não há nenhuma reunião programada com o ministro ou com o Nuzman. Eu inclusive fui convidado e estarei com o Patrick e o Horacio, se ele vier, em Montevidéu.”, afirmou.

“Vou convidá-los para conhecer o projeto do CT exclusivo da seleção (em Pindamonhangaba) e, se for possível pela questão da agenda, vou apresentá-los ao ministro”, completou Nunes.

Ele admite que não entendeu os motivos para o adiamento da confirmação da vaga, mas não está preocupado. “Vamos ter vaga direta na Olimpíada.”

Caso contrário, o Brasil terá de disputar o Pré-Olímpico Masculino, entre 25 de agosto e 6 de setembro, no México, e o Feminino, entre 9 e 16 de agosto, no Canadá. O primeiro concede duas vagas. O segundo, apenas uma.

Mais conteúdo sobre:

CBBFibaRio-2016