Presidente do Pinheiros diz que comissão estava ciente de dispensas; agente conta outra versão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Presidente do Pinheiros diz que comissão estava ciente de dispensas; agente conta outra versão

Em documento interno, Ivan Castaldi Filho fala em 'processo transparente', mas três dias antes da carta de dispensa conversa era para renovação

Marcius Azevedo

29 de abril de 2020 | 07h00

Um documento interno do Pinheiros, assinado pelo presidente Ivan Castaldi Filho e que o blog teve acesso após uma diretora responsável pela ouvidora colocar em diversas redes sociais e grupos de WhatsApp, colocou mais uma interrogação no processo de dispensa de nove jogadores da equipe profissional do clube.

No dia 24 de abril, o presidente do conselho deliberativo, Célio Cássio dos Santos, recebeu um ofício que fornece explicações sobre o ocorrido e pede que o mesmo seja enviado aos conselheiros do Pinheiros. Ivan Castaldi Filho explica que tal atitude foi motivada pela pandemia do novo coronavírus, que gerou incertezas sobre o NBB. A competição foi paralisada no dia 15 de março e uma decisão final será conhecida em 4 de maio.


Pinheiros contra Brasília, no último jogo pelo NBB antes da paralisação. Foto: Ricardo Bufolin/Pinheiros

O presidente do Pinheiros afirma ainda que ‘o processo foi tratado com máxima transparência’ e pontua que os membros da comissão técnica, capitaneada por César Guidetti, participaram dele e foram os responsáveis por manter os jogadores e seus respectivos agentes informados. Ele ainda diz que o telegrama recebido pelos jogadores no dia 14 de abril, e publicado com exclusividade pelo blog, foi apenas uma formalidade.

O blog, no entanto, ouviu outra versão de um agente. Segundo ele, o rumo da conversa entre jogadores, comissão técnica e clube era outro, três dias antes da correspondência ser entregue aos atletas, informando da dispensa.

A negociação era para encontrar uma solução para prorrogar os vínculos em caso de retorno do NBB e que os atletas foram surpreendidos pelo documento. “O Pinheiros tem o direito de não renovar. Mas não foi correto no processo”, afirmou o agente.

A mesma explicação foi fornecida pelos atletas ao serem questionados pelo blog no dia do recebimento da carta desde que o nome não fosse publicado.


Jogadores do clube estiveram no Pinheiros nesta quarta-feira. Foto: Reprodução/Twitter

O blog questionou o Pinheiros sobre o documento e recebeu uma resposta após o post ser publicado. O clube informou que ‘agiu com máxima ética, informando à comissão técnica e, simultaneamente, enviando a carta aos jogadores apenas para formalizar o processo’. Ele também ‘asseguraram que todos os direitos foram totalmente quitados com os atletas diante da incerteza da continuidade do NBB’

O diretor de área de esportes olímpicos e formação, Fabio Ferraro, que tem participado das reuniões da Liga Nacional de Basquete, também foi procurado pelo blog, mas não respondeu nenhuma das mensagens enviadas pelo aplicativo WhatsApp.

Nesta quarta-feira, os jogadores foram até o Pinheiros, realizaram o exame demissional, acertaram algumas pendências e assinaram o documento de rescisão. A baixa na carteira digital (desligamento do empregado da empresa) já foi realizada no dia 14 de abril, data da carta enviada pelo clube. O valor referente ao contrato CLT foi depositado na última sexta.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.