Ricardo Fischer se consolida no cenário internacional
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ricardo Fischer se consolida no cenário internacional

Atuações contra Real Madrid e New York Knicks colocam o armador do Bauru no radar dos principais times do mundo

Marcius Azevedo

08 de outubro de 2015 | 11h18

A temporada passada foi de confirmação para Ricardo Fischer, que se posicionou entre os melhores armadores do basquete brasileiro com o desempenho pelo Bauru. A atual temporada está alimentando o reconhecimento internacional.

O Pan-Americano de Toronto foi o batismo de fogo para o jogador de 24 anos. Ele disputou no Canadá o primeiro torneio internacional importante pela seleção principal. A Copa América do México serviu para ganhar mais bagagem.

Vieram então os dois jogos contra o Real Madrid, pelo decisão do Mundial Interclubes (Copa Intercontinental). No Ibirapuera, enfrentando armadores experientes e bastante qualificados, Fischer teve um desempenho capaz de arrancar elogios do técnico rival, o multicampeão Pablo Laso.

No primeiro jogo, na vitória do Bauru, o armador anotou 12 pontos, deu oito assistências e pegou dois rebotes. No segundo, na derrota que custou o título, ele foi o principal pontuador, com 26 pontos, além de dar cinco assistências e amealhar quatro rebotes. Tudo isso contra jogadores do quilate de Sergio Llull, Rudy Fernandez e Sergio Rodriguez…

Fischer contra Calderón, dos Knicks (Caio Casagrande)

Fischer contra Calderón, dos Knicks (Caio Casagrande/Bauru Basket)

A atuação contra o New York Knicks, na noite de quarta-feira, em jogo pela pré-temporada da NBA, só serviu para comprovar que Ricardo Fischer em breve vai realizar o sonho de jogar uma Euroliga ou até mesmo na NBA, como revelou recentemente em entrevista ao blog (leia aqui).

No maior templo do basquete norte-americano, o Madison Square Garden, o armador de Bauru registrou o primeiro triplo-duplo da carreira. Apesar da derrota, Fischer fechou o jogo com 11 pontos, dez assistências e dez rebotes.

“Foi meu triplo-duplo na vida e logo no Madison. Acho que está bom, né?”, brincou. “É uma mistura de emoções. Conseguir um triplo-duplo no Madison é algo que não estava nem nos meus sonhos, não poderia ser melhor”, completou.

“Estou nas nuvens. É até difícil encontrar palavras para dizer o que está passando pela minha cabeça nesse momento. Estou feliz demais com essa marca que conquistei e sei que não só eu, mas como todo o time, fez um bom papel aqui em Nova York”, concluiu.

Fischer é certamente o futuro da seleção brasileira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.