Seleção brasileira feminina recupera competitividade com José Neto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seleção brasileira feminina recupera competitividade com José Neto

Desempenho na Copa América confirma mudança de atitude do Brasil

Marcius Azevedo

30 de setembro de 2019 | 20h16

A medalha de bronze conquistada na Copa América em Porto Rico tem um brilho importante. A seleção brasileira feminina está reencontrando o caminho. O trabalho do técnico José Neto tem uma resposta imediata e isso é fundamental para possamos ter uma continuidade.

A contratação de um treinador vencedor, com muitos títulos no currículo no masculino, foi uma última cartada da Confederação Brasileira de Basquete para reerguer o time feminino. As jogadoras entenderam que era necessária uma mudança de postura. O Brasil havia se tornado um saco de pancadas.


Jogadoras da seleção comemoram o bronze em Porto Rico. Foto:Fiba

O desempenho nos Jogos Pan-Americanos de Lima já havia sido bastante satisfatório. Com uma campanha impecável, o Brasil conquistou o ouro ao superar os Estados Unidos na final, algo que não acontecia havia 28 anos, em agosto.

Em Porto Rico, diante de adversários mais qualificados, o time brasileiro fez bons jogos, endureceu para os Estados Unidos, agora com 10 jogadoras da WNBA, e teve chance de superar o Canadá na semifinal. Na decisão do terceiro lugar, um desempenho espetacular contra o anfitrião e uma vitória por 95 a 66.

Destaque para Damaris, eleita para o quinteto ideal da Copa América. A jogadora do Minnesota Lynx, da WNBA, terminou o torneio com médias de 17,3 (terceira melhor da competição), 6,8 rebotes e 2,5 assistências.

“Elas são demais. Dá gosto de trabalhar com elas”, confidenciou José Neto ao blog.

Na próxima semana, o treinador já tem reunião agendada na CBB para definir o planejamento para o Pré-olímpico das Américas.

O Brasil está no Grupo B ao lado de Estados Unidos, Argentina e Colômbia, que será disputado em Bahía Blanca, na Argentina. As duas melhores equipes se classificam para o Pré-Olímpico Mundial com outras 12 seleções, sendo seis da Europa, quatro da Ásia/Oceania e duas da África.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.