Sem Durant, Westbrook enfrenta prova de maturidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sem Durant, Westbrook enfrenta prova de maturidade

Armador terá de lidar com a ausência do companheiro e liderar o Oklahoma City Thunder pelo menos até dezembro

Marcius Azevedo

22 de outubro de 2014 | 09h43

A dupla dinâmica do Oklahoma City Thunder está mais uma vez separada.

Kevin Durant concedeu entrevista coletiva pela primeira vez na terça-feira depois de sofrer uma fratura no pé direito. O MVP (jogador mais valioso) da temporada passada disse que vive “uma situação diferente” na carreira e que “não pretende apressar o retorno” ao basquete.

Com isso, o armador Russell Westbrook terá uma missão para lá de espinhosa: liderar o time pelo menos até dezembro, quando Durant espera estar novamente à disposição do técnico Scott Brooks.

O jogador passará por uma prova de maturidade.

Westbrook foi bastante criticado pelo comportamento nos playoffs da temporada passada. As tomadas de decisões comprometeram o desempenho do time em momentos cruciais, principalmente na série contra o San Antonio Spurs, pela semifinal da Conferência Oeste – derrota por 4 a 2.

No retorno das férias, ele disse que mudou! Será?

Westbrook com Durant, com o pé direito imobilizado (AP)

O maior desafio é dosar o comportamento ofensivo. Na pré-temporada, depois que Durant se lesionou, foram três partidas, com duas derrotas.

Na única vitória, sobre o Memphis Grizzlies por 117 a 107, Westbrook registrou o melhor desempenho. Fez 14 pontos, mas com um bom aproveitamento de 60% dos arremessos (6-10) e ainda distribuiu 12 assistências.

Nas duas derrotas, o armador cansou de amassar o aro. Fez 16 pontos contra Toronto Raptors, mas com um aproveitamento de apenas 33% (5-15). Diante do Utah Jazz, foram 14 pontos, com um desempenho de 37,5% (6-16). No entanto, Westbrook se destacou nas assistências, com oito e 11, respectivamente.

De fora, Durant torce para que o companheiro possa conduzir uma boa campanha e ele possa voltar com o time em boa condição de classificação para os playoffs. Com sua dupla dinâmica em quadra, com certeza, o Oklahoma tem boa chance de brigar pelo título da Conferência Oeste e sonhar com mais uma final de NBA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: