Steve Kerr muda o rumo das finais da NBA
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Steve Kerr muda o rumo das finais da NBA

Treinador surpreende com Andre Iguodala entre os titulares e Golden State derrota o Cleveland e empata a série

Marcius Azevedo

12 de junho de 2015 | 07h27

Steve Kerr não chegou à final da NBA na primeira temporada como treinador por acaso. Ele foi um jogador que compensava o pouco físico com inteligência e um arremesso certeiro de longa distância, conquistando cinco títulos da liga norte-americana. Fez algum sucesso como dirigente no Phoenix Suns e se destacou na função de comentarista na TV por compreender o jogo como poucos.

Um profissional com tamanha capacidade não iria assistir passível ao Cleveland Cavaliers suplantar o Golden State Warriors nas finais. O treinador estudou o adversário, fez uma alteração ousada e mudou o rumo da série melhor de sete com uma vitória contundente no ginásio do rival por 103 a 82.

A estratégia de Kerr foi conceder mais espaço ao Cleveland no garrafão, ao tirar o pivô Andrew Bogut do quinteto titular, e ganhar em intensidade e velocidade com o ala Andre Iguodala, em uma formação mais baixa. A ideia não foi tão inovadora, mas deu certo. Erik Spoelstra, técnico do Miami Heat, adotou tal estratégia na final de 2013 contra o San Antonio Spurs ao colocar Mike Miller para começar coincidentemente o jogo 4 e confundir Greg Popovich. LeBron James estava em quadra naquele dia e, com certeza, lembrou disso.

Steve Kerr conversa com Stephen Curry durante o jogo 4 da final (AFP)

Steve Kerr conversa com Stephen Curry durante o jogo 4 da final (AFP)

O Golden State até teve um início vacilante, foi necessário Kerr pedir um tempo rapidamente para corrigir o posicionamento, mas, depois disso, o desempenho da equipe foi avassalador. O Cleveland foi retirado da zona de conforto e o jogo coletivo dos Warriors prevaleceu contra uma defesa que havia sido fundamental para o triunfo nos jogos 2 e 3 da série.

Quatro dos cinco titulares anotaram mais de dez pontos. Apenas Klay Thompson não alcançou os dois dígitos, terminando com nove. Stephen Curry e Andre Iguodala foram os cestinhas da equipe, com 22 pontos. Draymond Green marcou 17, enquanto Harrison Barnes contribuiu com 14.

Atrás no placar desde o fim no primeiro quarto, o Cleveland sentiu bastante fisicamente, principalmente no último período. O esforço descomunal para vencer o jogo 3 e o pouco tempo de recuperação de terça para quinta-feira fez com que o time de Ohio sucumbisse em quadra, sem força para reagir, perdendo por 27 a 12 na parcial derradeira.

Com média de 41 pontos nos três primeiros jogos da série, LeBron James anotou apenas 20 no jogo 4, com um aproveitamento de apenas 31,8% nos arremessos de quadra, 25% nas bolas de três pontos e 50% nos lances livres. Para piorar, no segundo quarto, o astro ainda sofreu um pequeno corte na cabeça, ao sofrer falta de Bogut e se chocar contra uma câmera de TV.

Agora, o Golden State volta para casa com chance de ficar novamente em vantagem na série. O jogo 5 será no domingo, em Oakland.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.