Título paulista de Franca foi um trabalho de reconstrução de Helinho
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Título paulista de Franca foi um trabalho de reconstrução de Helinho

Treinador, mais uma vez, mostra sua capacidade de montar bons times

Marcius Azevedo

11 de novembro de 2020 | 16h34

Franca não era favorita antes do início do Campeonato Paulista. A equipe perdeu peças importantes após o fim prematuro da temporada do Novo Basquete Brasil por causa da pandemia do novo coronavírus. David Jackson, Rafael Hettsheimeir, Jimmy, Parodi foram procurar novos ares, mas o técnico Helinho, mais uma vez, mostrou o quanto eficiente é o seu trabalho.

A equipe fez apenas contratações pontuais, entre elas André Goés e Danilo Fuzaro, que estavam em Mogi das Cruzes, e renovou com jogadores importantes, como Elinho e Lucas Dias. Agora terá ainda o armador Jamaal Smith, que tem condições de aumentar, e muito, o nível do basquete de Franca.


Helinho comemora mais um título por Franca. Foto: Marcello Zambrana/FPB

Mesmo sem ele, Helinho montou uma equipe consistente, que foi se encontrando ao logo do Campeonato Paulista até surpreender o favorito São Paulo na semifinal. A decisão foi novamente contra o Paulistano, rival em 2017 e 2018. Com uma atuação segura, Franca conquistou o tricampeonato com uma vitória por 70 a 54.

O resultado comprova que Franca nunca é uma carta fora do baralho em qualquer competição. Ninguém se torna capital do basquete à toa.

“Esse título é fruto de muito trabalho. Trabalho da comissão técnica, dos jogadores, dos colaboradores dentro e fora das quadras, da diretoria e do conselho. Estou muito feliz pela conquista, mas também por tudo que aconteceu: mantivemos um time competitivo e com a participação efetiva de nossos atletas da base. Essa conquista também deixa uma lição, a de acreditar sempre. Mesmo quando muitos duvidam, a gente deve acreditar e fazer acontecer, porque somos capazes”, afirmou o Helinho, após bater o Paulistano na final do Paulista.

“Essa equipe joga de forma coletiva, sem vaidade, sempre um pelo outro. É com essa união, esse comprometimento e esse espírito de coletividade que chegamos a nossa quarta final e garantimos o terceiro título estadual consecutivo”, completou o treinador.

O sarrafo, claro, sobe no NBB, que começa para Franca nesta quinta-feira, diante do Corinthians, em Mogi das Cruzes, por causa do formato em etapas sediadas. Helinho sabe muito bem disso e, com certeza, vai preparar sua equipe para um dura jornada na competição.

Tudo o que sabemos sobre:

Franca Basquetebol Clubebasquete

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: