Uma andorinha fez verão no México
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma andorinha fez verão no México

Marcius Azevedo

12 de setembro de 2013 | 08h52

A pífia campanha brasileira na Copa América alimentou o debate sobre os jogadores que atuam na NBA e sua presença na seleção. Depois de cinco anos, o Brasil disputou um torneio sem nenhum atleta da maior liga de basquete do mundo e foi eliminado na primeira fase com quatro derrotas.

Esta introdução serve para explicar quanto um jogador de NBA pode fazer diferença em uma competição Fiba, em que o nível não foi tão elevado.

O pivô Gustavo Ayon, que trocou o Milwaukee Bucks pelo Atlanta Hawks, entrou apenas na parte final da preparação do México para o torneio disputado na Venezuela e, além de conseguir classificar o país para o Mundial da Espanha, foi o responsável direto pela conquista do título.

Na final contra Porto Rico, Ayon mais uma vez teve uma atuação exuberante dentro do garrafão, terminando com um duplo-duplo na vitória por 91 a 89. Foram 20 pontos e impressionantes 16 rebotes do pivô, além três assistências e dois tocos.

Sem muito destaque na NBA, o mexicano, que defendeu Orlando Magic, New Orleans Hornets (agora Pelicans) e tem médias de 4,8 pontos e 4,3 rebotes em 109 partidas pela liga, foi soberano na Copa América, com atuações sólidas. Eleito MVP do torneio, Ayon teve médias de 17,5 pontos (58% de aproveitamento) e 9,2 rebotes.

O pivô registrou ainda cinco duplo-duplos em 10 partidas. Além da final, o jogador fez dois dígitos em dois fundamentos nos jogos contra Venezuela (22 pontos e 18 rebotes), duas vezes diante da Argentina (19 pontos e 10 rebotes na primeira fase e 24 pontos e 12 rebotes na semifinal) e contra o Canadá (19 pontos e 11 rebotes).

A leitura é simples: apenas um jogador com experiência na NBA foi suficiente para transformar o México, uma seleção que só ganhou o direito de disputar a Copa América por causa da suspensão do Panamá, no campeão.

Ou seja, o debate sobre os brasileiros que atuam na NBA e desistir de defender o Brasil na Venezuela só ganhou mais um argumento negativo.

Destaque do México, Ayon era o único atleta da NBA no campeão (Samuel Vélez/Fiba)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: