Roger Federer x Novak Djokovic, capítulo 36
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Roger Federer x Novak Djokovic, capítulo 36

Dois dos maiores jogadores da história do tênis se enfrentam na semifinal do Masters 1000 de Xangai

Mateus Silva Alves

10 de outubro de 2014 | 20h50

Novak Djokovic e Roger Federer estarão frente a frente na manhã deste sábado – mais precisamente às 9 horas (horário de Brasília) – para mais um episódio de uma das maiores rivalidades da história do tênis. Exagero? De jeito nenhum. Vamos aos fatos: são dois dos maiores jogadores de todos os tempos; são jogadores que, juntos, têm 24 títulos de Grand Slam; são jogadores que já se enfrentaram 35 vezes desde 2006, quando se encontraram pela primeira vez. É, portanto, uma das mais fascinantes rivalidades do tênis.

Na véspera da semifinal do Masters 1000 de Xangai, os dois disseram mais ou menos a mesma coisa. Em resumo: eles se conhecem muito bem (depois de 35 duelos, seria estranho se não se conhecessem, não?), não há espaço algum para uma surpresa tática e os confrontos entre os dois são sempre muito emocionantes. Tal qual os jogadores de futebol, o suíço e o sérvio limitaram-se às obviedades que sempre antecedem um grande jogo.

No último encontro, a final de Wimbledon, Djokovic levou a melhor em uma partida extraordinária. Naquela ocasião, o corpo de Federer não respondeu bem à longa duração da batalha e o suíço capitulou nos metros finais da corrida. Na China, como se trata de um jogo em melhor de três sets, esse obstáculo não deverá atrapalhá-lo. O maior problema do suíço estará mesmo do outro lado da rede. Djokovic está com a confiança lá no alto e, quando isso acontece, é difícil vencê-lo. Fora que o (poluído) ar da China faz bem ao sérvio, que já nem se lembra quando foi sua última derrota por lá.

A propósito, os 35 duelos entre Federer e Djokovic apontam para uma vantagem do suíço. Uma vantagem mínima, diga-se de passagem. Federer venceu 18 vezes e Djokovic, obviamente, 17. Neste ano, eles se enfrentaram quatro vezes e cada um venceu duas partidas, o que embaralha ainda mais a cabeça de quem quiser arriscar um palpite para o vencedor do clássico. O melhor a fazer é esquecer os palpites, ligar a tevê bem cedinho e aproveitar o espetáculo, que deverá ser dos bons.

No último encontro, em Wimbledon, Djokovic levou a melhor sobre o rival

No último encontro entre os dois, em Wimbledon, Djokovic levou a melhor sobre o rival

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: