As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A Estrela está Solitária!

Pela segunda vez rebaixado, o Botafogo, além de se organizar o mais rápido possível, não pode ignorar o que aconteceu com o Vasco na Série B deste ano, que penou para voltar à Série A.

Maurício Capela

01 de dezembro de 2014 | 15h32

A queda do Botafogo à Série B do Campeonato Brasileiro, com uma rodada de antecedência, é uma daquelas situações facilmente enquadradas no “eu já sabia!”. Era óbvio e inevitável, dado os erros de planejamento e de condução da crise que assolou o clube na competição neste ano.

Mas o Botafogo não foi só vítima de erros administrativos, falta de planejamento ou de escolhas técnicas equivocadas. Não! O Botafogo também fez e faz parte do cenário de desarticulação que atinge anos após ano o futebol do Rio.

Desde que os campeonatos estaduais começaram a perder a lógica de existência, alguns tradicionais clubes começaram a sofrer um verdadeiro desmonte. No Rio, o Bangu foi o primeiro a sentir o golpe, seguido rapidamente pelo América.

Com o aprofundamento desse cenário, claro que os grandes clubes do Estado também se viram no meio do turbilhão. Fluminense, com quedas dentro de campo à Série B, Vasco da Gama, rebaixado duas vezes e Botafogo, agora também com dois carimbos de Série B no passaporte, não escaparam ilesos à realidade.

O fato é que a pouca competitividade dos campeonatos regionais impede a captação de recursos dos clubes nos primeiros meses do ano, o que atinge o nível técnico do jogo e se reflete diretamente nas bilheterias.

Então, era uma questão de tempo para que as grandes forças do futebol brasileiro também sentissem o tranco. E quem não se organizou tão bem sofreu mais, como o Botafogo.

Tanto que até outro dia neste 2014, o Botafogo disputava a Copa Libertadores de América… E até outro dia em 2012, o clube anunciava a contratação de um ídolo mundial, Clarence Seedorf. 

O Botafogo, assim como tantos outros grandes clubes, não soube se organizar no momento da bonança financeira. E agora que o momento é de apertar os cintos além dos furos já existentes, faltou-lhe competência.

Competência que não pode deixar de existir neste momento. O Botafogo precisa olhar com cuidado o que aconteceu com o Vasco da Gama na segundona deste ano.

Dos quatro classificados à Série A, somente o Vasco tinha um elenco repleto de nomes conhecidos e que mesmo assim não funcionou lá muito bem. O restante foi formado por jogadores veteranos de algum nome, mesclado a garotos bons de bola.

Mesmo no banco, dos quatro, só Vasco e Avaí possuíam nomes nacionais quando o assunto é treinador. Joel Santana e Geninho, respectivamente, dispensam apresentação. Já Hemerson Maria do Joinville e Guto Ferreira da Ponte Preta estão no início de suas caminhadas.

Portanto, além de lustrar a estrela em todos os sentidos, o Botafogo precisará estabelecer um claro critério na montagem de seu elenco, levando em consideração a dura equação entre despesa sempre menor que receita.

Mesmo sabendo que haverá cobrança das arquibancadas, o que é normal tratando-se de clube grande que o é, o Botafogo não deveria entrar na fácil tentação de montar um elenco a todo custo para voltar.

Tem que voltar, é fato, mas tem que voltar de uma forma que lhe permita não mais cair, porque caso contrário, o Botafogo sentirá na pele o cenário que assombra o Palmeiras: o medo de amargar dois rebaixamentos consecutivos.  E para um clube grande não há nada pior do que cair duas vezes seguidas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.