As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A noite em que La Bombonera se curvou!

Carlitos Tevez usou o capitalismo a seu favor, exercendo o sacro direito de, uma vez independente financeiramente, escolher onde deseja exibir seu talento; sorte do Boca Juniors.

Maurício Capela

14 de julho de 2015 | 16h42

Carlitos Tevez já foi campeão de tudo quanto é jeito, como protagonista, revelação, coadjuvante e como co-protagonista. Venceu na Itália, na Inglaterra, no Brasil e na Argentina! Por onde passou, Tevez deixou sua marca e, exceção feita talvez ao Manchester City da Inglaterra, saudades.

Mas o maior título desse atacante argentino rápido, habilidoso e goleador foi conquistado no início desta semana, quando Tevez não só parou a Argentina, mas foi responsável por uma das maiores recepções já feitas pelo Boca Juniors. Cerca de 50 mil torcedores chutaram para a lateral o frio e encheram a lendária La Bombonera para acenar ao craque!

Tevez não se fez de rogado. E ficou bem à vontade no papel de “bom filho à casa torna”, retribuindo com sorrisos, declarações, afagos e reverências. Em resumo, o craque sentiu-se em casa… Entre os seus!

Revelado pelo Boca Juniors em 1997, o jogador evidentemente abriu mão de uma pomposa renovação contratual com a Juventus da Itália para regressar ao seu país e a seu clube de origem. Atitude rara em tempos de um futebol cada vez mais negócio!

Na realidade, Tevez usou o capitalismo a seu favor, exercendo o sacro direito de, uma vez financeiramente independente, ser sincero consigo mesmo. E é difícil ser sincero consigo mesmo estando diante de um contrato repleto de zeros à direita!

Portanto, é preciso reconhecer o brilho deste acontecimento, que extrapola a fronteira Argentina. Extrapola e brilha, porque havia sinceridade no olhar e no sorriso de Tevez. Havia felicidade plena!

 

O resultado é que o futebol sul-americano ganhou um presente. Terá em seus campeonatos um craque no gramado, disposto a ganhar títulos importantes. E motivado não apenas pelo contracheque.

Algo que a própria torcida xeneize, como é conhecida, entendeu e fez questão de dizer que entendeu. Tanto que curvou a lendária La Bombonera, como em um ato de agradecimento, a Carlitos Tevez!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: