As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A vez de Lucas Lima

Considerado um dos principais destaques do Campeonato Paulista deste ano, fundamental na recuperação do Santos no Brasileiro, Lucas Lima se credencia a uma convocação para uma posição em que o Brasil já tentou tudo de tudo.

Maurício Capela

03 Agosto 2015 | 14h47

As eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia de 2018 já batem à porta. E basta dar uma passada d’olhos na Seleção Brasileira, no seu desempenho recente, para levantar a sobrancelha e franzir a testa. Os 7 a 1 da Alemanha, a eliminação na Copa América, o desempenho irregular demonstram que o técnico Dunga terá um trabalho de Hércules pela frente.

Terá, pelas razões já conhecidas: a safra não é das mais promissoras, os jogadores parecem não funcionar em conjunto e o peso das recentes pancadas parece só aumentar com a chegada de cada nova competição.

Mas há mais. Há um problema crônico no Brasil. Não só neste Brasil versão 2015. Mas no Brasil de uma década para cá. A Seleção não tem meia!

Nem adianta olhar muito por aí não! As opções de brasileiros nas ligas da Inglaterra, Espanha, Itália, Portugal, Alemanha, China, Japão e mundo árabe só confirmam a ausência.

Mas no futebol brasileiro há um jogador que já merece um olhar especial. Uma atenção diferente. Trata-se de Lucas Lima, do Santos, ainda que nesses tempos de negócio futebol, tenha que se fazer a devida ponderação de que opiniões e convocações podem catapultar o jogador em direção à Europa. Ainda assim, o futebol de Lucas Lima pede passagem.

Aos 25 anos, esse meia, que surgiu em clubes do interior do Estado de São Paulo para depois confirmar seu desempenho no Sport Recife, demonstra jogo após jogo sua qualidade.

Lucas Lima sabe cadenciar, acelerar, assistir os companheiros de time e recompor defensivamente. E faz tudo isso em um campeonato, no caso, o Brasileiro, cujo nível se equivale, na média, ao futebol praticado na Ucrânia, em Portugal, na Turquia, na Rússia e até na Itália de hoje. Mas claro distante das principais ligas, a inglesa, espanhola e alemã.

Mesmo assim, mesmo com essa distância em mente, valeria o teste. Ainda que não se saiba como o atleta poderia se desenvolver diante de jogadores acostumados ao nível das competições alemã, espanhola e inglesa, ainda assim, diante das diversas tentativas já feitas, valeria a investida… A aposta!

No entanto, a favor de Lucas Lima, há a regularidade, fundamentalmente na temporada 2015. Um dos melhores jogadores do Campeonato Paulista, principalmente nos clássicos, e mantendo o ritmo de produção no Brasileiro, devagar, o jogador se credencia a esta chance.

Uma chance que poderá, de fato, catapultá-lo de vez em direção à Europa. Afinal, muito se fala do interesse do Porto de Portugal, um clube que se especializou, que tem mostrado muita competência, em contratar ótimos valores sul-americanos e depois revendê-los como verdadeiras joias da coroa.

O Porto não tem culpa. Só competência. A culpa pela contínua venda do artista e não do espetáculo é exclusivamente verde-amarela. Um tema que deveria estar no centro do debate, porque tem atingido cada vez mais o topo da pirâmide do futebol nacional, qual seja, a Seleção Brasileira, e hoje sua dificuldade em ter um meia.