As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Di María e a pirâmide do mundo financeiro no futebol

Craque argentino gerou, em quatro transferências, um faturamento de € 179 milhões, sendo que a venda mais barata foi quando o Benfica o tirou do Rosário Central.

Maurício Capela

06 de agosto de 2015 | 15h27

Há uma lógica de mercado no futebol do mundo. E essa lógica guarda pouca conexão com o desempenho dentro das quatro linhas. Na verdade, o nexo entre um jogador, um clube e essa montanha de dinheiro que vai de um lado para o outro se explica pelo status econômico de cada nação. E esse status está diretamente refletido nas ligas de futebol de cada país.

Quer um exemplo? Ángel Di María. Esse argentino, vice-campeão do mundo, já movimentou € 179 milhões em quatro transferências. Um absurdo de dinheiro, principalmente quando se leva em conta que o francês Paris Saint-Germain resolveu pagar € 63 milhões para ter o craque.

Se foi caro, se foi barato, pouco importa. Até porque, pelos valores praticados na janela de transferência europeia, Di María, craque como é, tem pré-requisitos para reclamar esse papel de destaque.

Mas o que chama a atenção não é exatamente os € 63 milhões do clube francês. O que escancara a relação “nações de primeiro mundo” e “países em desenvolvimento”, mesmo no futebol, é imaginar que o Benfica, de Portugal, desembolsou apenas € 8 milhões para tirá-lo do Rosário Central, da Argentina, em 2007.

Em outras palavras, sete anos depois, Di María registrou uma valorização de quase 700% em um momento que a economia global, e principalmente a europeia, tem vivido momentos terríveis desde a crise de 2008. Curioso, não?

Agora, por que só € 8 milhões para Rosário Central e € 33 milhões para o Benfica, quando este resolveu vender o jogador para o Real Madrid em 2010? Simples, a economia portuguesa, mesmo castigada pela crise da Europa e ocupando uma posição de número 47, está inserida na zona do euro. E a Argentina, mesmo sendo a economia de número 24, não consegue competir.

Mas os números de Di María dão mais subsídios. A Espanha, 14a. economia, assistiu um de seus times, o Real Madrid, receber o dobro do valor pago aos portugueses, quando o vendeu para o Manchester United por € 75 milhões. O Reino Unido é a quinta economia do planeta.

Portanto, mesmo sendo números nominais, e não contemplando lá outros indicadores, apenas levando em conta a inferência das realidades desses times em um contexto macroeconômico, é fácil ver como os clubes da América do Sul, por exemplo, não conseguem traduzir à perfeição o tamanho das economias de seus respectivos países.

Trocando em miúdos, vendem barato demais os seus jogadores!

A continuar assim, portanto, vão continuar assistindo seus promissores atletas, por somente ter pisado em solo europeu, passarem a acumular muitos zeros à direita. E se nada for feito, vão assumir de vez a condição de meros entrepostos da bola no mundo!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: