As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Internacional, o rival do São Paulo pelo G-4 do Brasileiro

Mesmo depois da humilhante derrota para o Corinthians, o São Paulo só depende de si para conquistar a quarta vaga que lhe dará direito à Copa Libertadores de 2016.

Maurício Capela

23 Novembro 2015 | 13h40

Derrota, crise política, goleada, falta de competitividade… Todos elementos que resumem o São Paulo em 2015. No entanto, há uma esperança nessa aparente luta inglória para salvar o ano, ainda que o clube paulista pouco produza para mantê-la viva: a Copa Libertadores de América de 2016.

Mesmo errando demais e acertando cada vez menos, o São Paulo ainda assim é o quarto colocado do Campeonato Brasileiro deste ano. Um feito, diga-se! Depois de quatro trocas de treinador e uma crise política profunda, o clube consegue manter um padrão de pontuação dentro de campo, que o habilita a manter o sonho vivo. Bem vivo!

Mas talvez o São Paulo tenha ganho, após a antepenúltima rodada do Brasileiro, “o rival” nessa disputa. Um rival de elenco qualificado, que não pratica espetáculo, mas soma pontos. E muitos! O Internacional de Argel Fucks é ameaça real ao sonho de Libertadores do São Paulo.

É bem verdade que os dois jogos restantes reservam bastante dificuldade a ambos. Primeiro, o clube do Rio Grande do Sul vai encarar o Fluminense fora de seus domínios para encerrar o Brasileiro deste ano, em casa, diante do Cruzeiro, um time com matemáticas chances de beliscar a quarta vaga.

Já o São Paulo enfrentará o Figueirense em casa, terminando o conturbado ano diante do Goiás, fora de seus domínios.

Quem olha de primeira, poderá até imaginar que a tarefa Tricolor seja mais fácil. Mas há controvérsia. Os dois adversários vivem às turras com a zona de rebaixamento, ao passo que o Inter terá a oportunidade de enfrentar um Fluminense, já sem propósito, e um Cruzeiro, talvez eliminado.

Mas para a matemática lhe favorecer o São Paulo precisará recuperar o mínimo de jogo competitivo, porque as feridas estão todas abertas depois do massacre do Corinthians. No entanto, há esperança… Uma vez que 2015 ainda poderá sorrir ao clube paulista, que só depende de si para carimbar mais uma participação na principal competição sul-americana.