As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O jogo de Philippe Coutinho!

Sem Neymar Júnior em campo, o jogador do Liverpool rechaça corretamente a condição de protagonista e divide a responsabilidade da classificação com os demais atletas do elenco.

Maurício Capela

19 de junho de 2015 | 16h45

Philippe Coutinho, um dos grandes jogadores do inglês Liverpool, talvez seja a maior estrela do Brasil, depois de Neymar Júnior. Rápido, dono de um bom chute de meia distância e habilidoso, o jogador sempre mostrou talento, desde os tempos em que ainda era uma promessa do Vasco da Gama.

Só que Coutinho, na Seleção Brasileira, ainda não demonstrou o mesmo futebol exibido nas partidas do Campeonato Inglês. Lá, Coutinho costuma ser decisivo, principalmente quando resolve arriscar seus bons chutes ao se aproximar do gol adversário.

Agora, no próximo domingo, o jogador do Liverpool terá mais uma vez a oportunidade de mostrar que também pode ser coprotagonista na Seleção, diante da Venezuela. Um jogo que promete ser duro, já que todos os integrantes do Grupo C da Copa América mantêm chances de classificação.

Portanto, esse discurso de Coutinho, não assumindo a condição de protagonista na ausência de Neymar, mostra-se um acerto!

Assumir a condição de responsável é algo, inclusive, que tem trazido uma cobrança descomunal a Neymar Júnior. Mesmo que tenha condições de sobra para isso e mesmo que a Seleção, de fato, dependa de suas arrancadas e gols, seria interessante ao craque do Barcelona seguir na direção oposta. E ao invés de segurar o rojão, usar seu status para cobrar maior empenho dos demais colegas de time.

Até porque um time de futebol, obviamente, é formado por 11 atletas. E mesmo que exista um desnível entre eles, ainda assim são todos, na média, bons jogadores, portanto, reúnem capacidade suficiente para produzir mais pela Seleção.

Em outras palavras, ao não rechaçar publicamente essa dependência, ainda que os números demonstrem como tem se mostrado importante, Neymar Junior acaba por se sobrecarregar e isso talvez até acabe deixando os demais em uma posição cômoda. Cômoda demais!

Porque uma coisa é o número, outra a interpretação do mesmo. Trocando em miúdos, se os demais jogadores melhorarem de produção, é claro que os números de desempenho de todos vão se modificar no Brasil, inclusive os de Neymar.

Ou seja, aparentemente Coutinho acerta ao se colocar como bom jogador e a chutar para escanteio esse papo de solução para todos os problemas na ausência de Neymar. O ideal é que o jogador do Liverpool se prepare sim, mas para se mostrar apto a dividir as tarefas, quando o craque do Barcelona estiver de volta ao time. No melhor estilo, Coutinho-Neymar!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.