As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sobrenatural de Almeida

Cruzeiro perdeu a segunda seguida no Campeonato Brasileiro de 2014 e reacendeu as esperanças de Internacional e São Paulo.

Maurício Capela

13 de outubro de 2014 | 14h53

Se Nélson Rodrigues vivo estivesse, certamente olharia com lupa o Campeonato Brasileiro de 2014. E aposto que lançaria mão de uma de suas melhores comparações… Ou seja, está tão fácil para o Cruzeiro faturar o quarto título de sua história como chupar o tal sorvete sempre mencionado pelo jornalista.

Mas o Cruzeiro insiste em querer apimentar a competição. E é aí que o Sobrenatural de Almeida sente-se à vontade.  Ele gosta de um bom desafio e gosta que o desafiem! E o Cruzeiro, pelo jeito, vive convidando-0 para uma conversa ao pé do ouvido.

No domingo, na casa do Sobrenatural de Almeida, no estádio do Maracanã, onde senta-se bem ali, ao lado de “Arquibaldos” e “Geraldinos”, o Cruzeiro resolveu desafiá-lo. E o resultado foi um inapelável 3 a 0 para o Flamengo, com direito a duas falhas incríveis de sua defesa.

A sorte do time das Minas Gerais é que seus adversários parecem pouco interessados em disputar palmo a palmo o caneco. São seis pontos do Internacional, o segundo colocado, mas a diferença poderia ser somente de quatro pontos, caso o São Paulo não tivesse perdido tantas chances de gol no primeiro tempo diante do Atlético Mineiro. Aliás, a vitória do eterno rival cruzeirense foi até um exagero.

Mas Sobrenatural de Almeida, lembra, gosta de um desafio. E já sacou a calculadora do bolso. Chamou Arquibaldo e Geraldino e os três fizeram uma conferência.

Louco para aprontar mais uma da suas, Sobrenatural virou página por página do livro de história do Campeonato Brasileiro e decretou. Se o Flamengo conseguiu tirar seis pontos nas últimas dez rodadas em 2009, por que outro não poderia fazer o mesmo em 2014?

Geraldino, que conhece de perto o calor dos gramados, pediu a palavra e decretou: “Desculpe, Almeida… Mas só está faltando combinar com os russos.” “Russos”, retrucou Arquibaldo… “Sim”, continuou Geraldino. Foi quando Almeida sacou o celular e lançou… “Já estou ligando para o Abelão!” Então, atende aí, Abelão!

Tendências: