As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Além do Complexo de Vira-Latas

Mais de 50% dos brasileiros acham que a seleção vai perder para os norte-americanos no amistoso de hoje à noite

Luiz Zanin Oricchio

08 de setembro de 2015 | 14h47

Ouvi no rádio uma enquete sobre a partida amistosa entre Estados Unidos e Brasil, que acontece hoje à noite. Mais de 50% dos brasileiros acham que os americanos vão ganhar. Apenas cerca de 25% dos patrícios acreditam numa vitória da seleção. O resto joga no empate.

Há um dado realista aí. Se mantiver o padrão dos últimos jogos, Copa América e amistosos como o último, contra a Costa Rica, o Brasil vai ter dificuldade para vencer os Estados Unidos, seleção que evoluiu muito.

Além do mais, ninguém parece disposto a esquecer o vexame diante da Alemanha, na Copa do Mundo. Acho que não será esquecido jamais. Não é mancha. É cicatriz.

Desse modo, Dunga vive um dilema. Para ele, politicamente, é importante vencer os amistosos. Seja lá como for. É o que tem feito.

Por outro lado, precisa experimentar alternativas no time, pois a única estrela da equipe, Neymar, está suspenso dos dois primeiros jogos das Eliminatórias. A não ser que a CBF consiga reverter essa decisão da Fifa.

Tem outra coisa que acrescento por minha conta. O Brasil, e agora falo da nação brasileira, vive uma crise de desamor em relação a si mesmo talvez sem precedentes históricos, por conta da guerra política. Complexo de Vira-Latas todos já sabemos que temos. É um sentimento crônico de inferioridade, que vai e vem ao sabor do estado geral do corpo, isto é, do país. Agora é diferente. O sentimento é de ódio mesmo. Ódio de si. Como se o cachorro sentisse vontade de morder o próprio rabo. Isso se reflete na seleção que, como se sabe, acolhe as expectativas simbólicas do país, seja na esperança, seja no mais extremado descrédito.

Falando de maneira objetiva, e deixando de lado essas projeções simbólicas, acho que o Brasil pode mesmo perder dos EUA. Vem jogando um futebolzinho de nada, muito distante das nossas tradições do “jogo bonito” e vencedor. Pelo jeito, esse tempo acabou. E a camisa amarela foi assumida de vez pelos coxinhas. É triste.

  1. Terminava essas linhas quando fui dar uma olhada no blog do Juca Kfouri. Lá, ele nota que nenhum dos principais colunistas dos três grandes jornais (Estado, Folha e Globo) dedicou espaço ao jogo entre Brasil x Costa Rica, no sábado. Alguns deles reservaram à partida (medíocre) algumas linhas no rodapé. Juca conclui: A CBF (Casa Bandida do Futebol, como ele a chama) conseguiu. A seleção saiu da esfera das nossas preocupações. De fato. Minha única motivação para escrever essas maltraçadas foi a pesquisa que aposta na vitória dos EUA.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.