As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário da Copa 2014. Costa Rica 1 x 0 Itália. A grande surpresa

Luiz Zanin Oricchio

20 de junho de 2014 | 18h01

 

Muita gente achava que a Costa Rica vinha a passeio ao Brasil. Eu também. Aí está. No grupo da morte, é a única classificada. E um dos cachorros grandes, a Inglaterra, já está fora. A outra vaga fica entre Itália e Uruguai, num jogo que deve ser de arrepiar cabelo de careca.

Por que a surpresa? Porque nos atemos à tradição, ao que já foi feito. O que é a Costa Rica no contexto internacional do futebol? Nada. No entanto, seus melhores jogadores, como todos, estão espalhados pelo mundo. Conhecem o futebol. É mais um dos efeitos da globalização. Não tem mais bobo mesmo no futebol. Antes, esses países viviam isolados e eram ingênuos, pareciam praticar um futebol de meio século atrás. Isso acabou. Em especial numa Copa do Mundo, em que bem ou mal chegam os melhores países de cada confederação.

Mas o mais surpreendente é que a Costa Rica não se acovardou diante da Itália. Jogou de igual para igual, com a mesma personalidade. Para falar a verdade, jogou melhor que  a Itália e ainda teve um pênalti não assinalado. Talvez o placar fosse 2 a 0 e isso beneficiaria o Uruguai, que então jogaria pelo empate contra a Itália. Do jeito que ficou, foram os italianos os beneficiados pela possibilidade do empate para passar de fase.

Enfim, um jogaço. Mais um desta já excepcional Copa do Mundo no Brasil.

E, no jogo seguinte, um recital da França, 5 a 2 na Suíça e ainda um gol de placa de Benzema, que não foi validado porque o juiz havia apitado o fim do jogo quando ele recebeu a bola. Juiz tolo, anulou uma pequena joia do futebol. Mas vários dos outros gols foram também bonitos.

Em todo caso, a França, pela qual não se dava nada devido à ausência de Ribéry , aparece bastante forte. Duas vitórias muito boas, e já na prática classificada para a segunda fase. Quem a enfrentar, de agora em diante, terá motivos para se preocupar.

A Copa está demais.

A Fonte Nova virou o estádio das goleadas. Os baianos dão sorte. Merecem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.