As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

E a Liberta começou…

Luiz Zanin Oricchio

02 Março 2018 | 12h57

 

Bom, nada como a competição sul-americana para nos tirar do marasmo, não é?

Por mais que digam (e dizem com razão) que o nível técnico do torneio já não é lá essas coisas, a Libertadores mantém seu encanto particular.

Acho que é algo que vem do passado. No começo, apenas os campeões nacionais disputavam. Já imaginaram a seletividade de um torneio desse tipo? Ainda mais numa época em que a maioria dos principais jogadores do continente atuava por aqui mesmo?

Depois, como tudo, a Libertadores foi se expandindo e degradando, até chegar ao inchaço atual. Como manter o nível com mais de 40 competidores?

Mas não se trata apenas disso. O nível caiu porque os principais boleiros de todos os países jogam fora. Na Europa, na China, no Japão, no “mundo árabe”, pouco importa. A globalização da bola enterrou a qualidade do futebol sul-americano. Aqui é uma espécie de 2ª divisão do futebol internacional. E estou sendo otimista, viu?  

Tem solução? Não tem. A não ser que mudem as condições geopolíticas e econômicas, o que não parece estar à vista.

Então vamos nos contentar com o que temos. Bem, contentar não é bem a palavra. Vamos nos conformar e curtir nossos times.

E vamos a eles:

O Santos começou muito mal. Perdeu para um timeco, o Real Garcilaso, sem qualquer tradição na área.

Verdade: havia a altitude de Cusco. Mas, sabemos, para a altitude, existe um remédio infalível, uma palavrinha próxima: atitude. E esta faltou ao Santos que, apenas em dois momentos, teve chance de marcar. E não o fez. O time peruano mereceu a vitória. Poderia ter goleado. O Santos mostrou falhas incríveis, tanto no setor defensivo quanto na articulação.

Já o Palmeiras fez mais do que sua lição de casa. Goleou o Jr. de Barranquilla por 3 a 0. Um ótimo começo alviverde, para mostrar que, como melhor elenco brasileiro, vai disputar a Libertadores com força e é um dos favoritos ao torneio.

O Corinthians empatou com o Millonarios, da Colômbia, o que não é tão mal.

O Flamengo empatou com o River, depois de estar vencendo por duas vezes. Deixou escapar uns pontos preciosos.

Enfim, foi só o começo. Mas serve de indicação de quem entra no torneio para brigar pelo título e quem nele está apenas para disputar.

Mais conteúdo sobre:

Copa Libertadores da América