As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Peixinho vence a Copinha

Luiz Zanin Oricchio

25 de janeiro de 2014 | 18h49

Os Meninos da Vila venceram o Corinthians por 2 a 1 e se sagraram campeões da Copa São Paulo. Foi bonito e o placar, merecido. Mas o final foi tenso. O Santos vacilou, deixou o Corinthians marcar e elevou um sufoco.

De qualquer forma, o título valoriza um clube que investe bem nas categorias de base.

Dizem que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar, mas na Vila foram três.  Pelo menos.

Só que não caíram por acaso. Tem investimento e planejamento.

Com essa filosofia de trabalho, o Santos teria sempre times fortes, com base formada em casa. Por que não tem?  Simples. Porque é tão competente em formar quanto incompetente em manter.

Culpa do clube, exclusivamente? Não. O Brasil adotou um modelo exportador de talentos, de modo que os clubes vêem-se praticamente forçados a vender seus jovens, em geral a preço de banana. Vivem com times enfraquecidos e sempre de pires na mão, apesar dessas vendas para o exterior, Europa em especial.

No caso Neymar, tentou-se algo diferente. Durante algum tempo deu certo, mas logo a mágica acabou. Foi apenas um adiamento. Terminou como sempre. Com o clube formador recebendo um trocado. E ainda sendo enganado, como se confirmou agora, num escândalo que custou o cargo a Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona e amigo de Ricardo Teixeira.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.