As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Santos sempre Santos

Luiz Zanin Oricchio

29 de dezembro de 2011 | 21h55

22/1/2009

O outro livro de futebol que li foi Na Raça!, de Odir Cunha. Comprei na Livraria Realejo, do amigo Zé Luiz, em Santos. Em visita à livraria, na esquina da praça da Independência, no Gonzaga, o Zé me indicou o livro, que eu esperava com impaciência. É sobre o bicampeonato mundial conquistado pelo Santos sobre o Milan em 1963. Inclui a descrição e bastidores de um jogo mítico – a virada de 4 a 2 do time brasileiro, depois de estar perdendo por 0 a 2 no primeiro tempo. A partida foi no Maracanã, testemunhada por 130 mil pessoas que viram o time virar um placar improvável sob um chuva de “terceiro ato de Rigolletto”, segundo a expressão de Nelson Rodrigues. O Santos, time técnico por excelência, jogou desfalcado de Pelé, Zito e Calvet; ganhou na raça – daí o título escolhido por Odir para o livro. Ele mesmo confessa que enfrentou resistências internas para escrevê-lo. Em seu trabalho anterior, havia descrito a epopéia do primeiro título mundial santista, conquistado em 1962 contra o Benfica, numa partida considerada o ápice da técnica, 5 a 2 para o Santos no Estádio da Luz, segundo Pelé o melhor jogo de sua carreira. Como então escrever sobre um título conquistado em condições opostas – sob chuva, pontapés trocados de parte a parte, jogadas ríspidas no lugar de firulas, suspeitas de doping, de juiz roubado e tudo o mais? Pois bem, tudo isso constitui um épico e, em sua descrição, Odir sai-se muito bem. Nem apenas de técnica vive o futebol, embora a gente de vez em quando se esqueça disso. Até mesmo o grande Santos dos anos 60 teve seu dia de chutar de bico, para onde estivesse virado. E ganhou um título mundial dessa forma.

Obs: Tenho um texto sobre essa partida, que escrevi para um livro chamado Meu Jogo Inesquecível. Querem que eu coloque no blog?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: