As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ricardo e Emanuel provam que seguem no topo e sobem ao pódio nove anos após ouro olímpico

Demétrio Vecchioli

26 de agosto de 2013 | 03h29

Podio praia

Se na comparação com as mulheres, os homens brasileiros têm dito resultado bem pior no Circuito Mundial de Vôlei de Praia, não dá para negar que a disputa pelas quatro vagas do País na próxima Olimpíada empolga. E a prova de que tudo pode acontecer veio no Grand Slam de Moscou, com prata para Evandro/Emanuel e bronze para Ricardo/Álvaro Filho.

O resultado está cheio de simbolismo. Neste domingo, 25 de agosto, completava nove anos do ouro olímpico de Ricardo/Emanuel. Ricardo está com 38 anos. Emanuel já celebra os seus 40. Mas ambos ainda demonstram fôlego para, mais que brigar, conquistar medalhas no Circuito Mundial.

E a nova geração, em contraponto, também tem bons nomes. Evandro tem apenas 23 anos e Álvaro Filho 22. Evandro, que foi unido a Emanuel num teste da técnica Letícia Pessoa, é um atacante de 2,10m e, obviamente impressiona. Alison, por exemplo, tem 2,03. Em ótima fase, o novo companheiro de Emanuel chegou à final das duas últimas etapas. Com Vitor Felipe em Berlim (foi campeão) e agora em Moscou com seu novo parceiro.

O desempenho brasileiro, de dois pódios, poderia ter sido melhor em Moscou não fosse o sorteio. Isso porque houve um “canibalismo” na seleção. Evandro/Emanuel derrotou Pedro Solberg/Bruno Schmidt nas oitavas. Estes, por sua vez, tinham passado por Alison/Vitor Felipe na repescagem.

Mas os maiores algozes dos brasileiros foram mesmo Smedins e Samoilovs, da Letônia. Formada esse ano, a dupla lidera o ranking mundial. Em Moscou, venceu Ricardo/Álvaro na semi e Evandro/Emanuel na decisão.

Até aqui, na temporada, a melhor dupla brasileira é Pedro Solberg/Bruno Schmidt, com um título, dois vices e um terceiro lugar (1/2/1). Há três etapas eles não chegam nem às quartas de final. Ricardo/Álvaro ganhou a prata no Mundial, e, na temporada, tem 1/1/2. Alison/Emanuel não subiu ao pódio, mas ganhou a Copa do Mundo. Já Evandro/Vitor Felipe ficou com o título em Berlim.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: