As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil fatura três de 12 medalhas no BMX em Lima

Demétrio Vecchioli

21 de outubro de 2013 | 19h38

BMX

Renato Rezende e Bianca Quinalha foram os melhores brasileiros na abertura da nova pista de BMX Supercross de Lima (Peru) – o Brasil não tem uma pista assim, não custa lembrar. Renato foi prata no Latino-Americano e quarto colocado no Sul-Americano. Bianca terminou as provas respectivamente em terceiro e sexto lugares.

Tanto no masculino quanto no feminino as provas tiveram apenas atletas da América do Sul. Na prática, as provas foram repetidas, com os mesmos atletas. Gente de alto nível como Carlos Oquendo, colombiano bronze em Londres/2012 e Carlos Ramírez, seu compatriota, campeão mundial júnior no ano passado.

No Latino-Americano, realizado antes, foram três brasileiros na final masculina. Renato Rezende em segundo, Hugo Osteti em terceiro e Leandro Miranda em oitavo. No Sul-Americano, Renato foi quarto e Leandro o sexto. Leonardo Caze e Bryan Ferraz não fizeram final no júnior.

Entre as mulheres, briga só pela prata, porque o ouro é sempre da campeã olímpica e mundial Mariana Pajon, da Colômbia. Bianca foi duas vezes superada por argentinas, atletas de um país que também tem mais tradição no BMX que o Brasil. Na prova feminina júnior, bronze para Thaynara Morosini no Latino. No Sul-Americano ela foi apenas quarta entre cinco atletas.

“Terminamos as competições com um saldo bastante positivo. Conquistamos vários pontos no ranking internacional e isso vai nos ajudar muito na classificação para o Mundial de 2014. As provas no Peru tiveram um nível altíssimo, com presença de atletas medalhistas olímpicos e ex-campeões mundiais. Os nossos atletas estão de parabéns pelos resultados”, declarou Guilherme Pussieldi, técnico da seleção, via assessoria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: