Aos 17, Hugo Calderano já pensa como profissional no tênis de mesa
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aos 17, Hugo Calderano já pensa como profissional no tênis de mesa

Demétrio Vecchioli

28 de janeiro de 2014 | 18h23

O fim de semana foi de um grande resultado para o tênis de mesa brasileiro. Hugo Calderano voltou a jogar de igual para igual com os asiáticos, desde sempre os melhores do mundo, e foi vice-campeão da etapa final do Circuito Mundial Juvenil, da qual participaram apenas os 16 melhores atletas de 2013 dentro de determinados critérios.

A competição foi em Gaia (cidade vizinha ao Porto) e os chineses não mandaram representantes. Japoneses também não. Hugo, assim, entrou no torneio como melhor ranqueado. Venceu atletas de Portugal, Canadá e Austrália na chave de grupos e, no mata-mata, ganhou de dois rivais de Hong Kong. Na final, porém, derrota para Kim Minhyeok.

Os bons resultados contra os melhores atletas do mundo no juvenil (sub-18) já é algo recorrente para Hugo Calderano, tanto que ele já está com a cabeça totalmente voltada para o adulto. Perguntei se ele já se vê como um top10. “Um dos meus objetivos é sim chegar ao top10. Acho que estou no caminho certo para chegar lá”, foi a resposta.

A pergunta, porém, era sobre o top10 do juvenil, ranking no qual ele é o sexto colocado, o único não-chinês e não-japonês entre os 12 melhores. “Estou pensando mais no adulto mesmo. É meu último ano de juvenil, então tenho que me concentrar no adulto. Quanto mais cedo eu estiver disputando com os adultos, mais fácil vai ser para quando eu sair do juvenil”, avalia ele.

O plano claro é pular etapas, mas só porque Hugo tem totais condições para isso. Existe também um ranking mundial sub-21, no qual ele já é o 31.º colocado, apesar dos 17 anos. Por conta do vice-campeonato em Gaia, deve subir de posição.

Neste fim de semana, ele disputa o Pro Tour (Circuito Profissional adulto) da Hungria. Quer chegar entre os 32 melhores no adulto e ser campeão no sub-21. Nesta categoria, é cabeça de chave e entra como favorito. Praticamente só europeus estão inscritos. O Brasil ainda terá Vitor Ishiy começando da fase de grupos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: