As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Argentino supera astros do ciclismo e garante título para equipe brasileira

Demétrio Vecchioli

25 de janeiro de 2015 | 21h08

Um argentino garantiu um excelente resultado para o ciclismo brasileiro neste domingo. O “cara” é Dani Díaz, que fez história ao ganhar o Tour de San Luis, na Argentina, mais importante volta ciclística da América do Sul, correndo pela equipe da Funvic, atualmente em São José dos Campos. Ele deixou para trás, entre outros, o atual campeão da Volta da França (o colombiano Nairo Quitana) e  o astro britânico Mark Cavendish, campeão mundial de 2011.

O resultado conta favoravelmente ao Brasil porque, no ciclismo de estrada, um título geral só é possível com jogo de equipe. Um time inteiro se doa para que um companheiro mais descansado e capacitado (Dani Díaz, no caso) possa vencer. No geral por equipes, a Funvic foi sexta colocada, prejudicada pelo abandono de três de seus ciclistas.

Participaram do Tour algumas das melhores equipes do mundo, que têm o selo profissional da UCI, casos da  Movistar Team (Espanha), Katusha (Rússia), Cannondale (EUA), Ag2r La Mondiale (França) e Merida (Itália). Kleber Ramos ainda foi o terceiro melhor montanhista.

Abaixo, um resumo dos principais resultados de outras modalidades nos últimos dias.

VELA – Como vem acontecendo durante todo o ciclo olímpico, uma legião de estrangeiros veio ao Rio para disputar o Campeonato Brasileiro da Classe Laser. Bruno Fontes conquistou um grande resultado ao garantir o título. Afinal, superou, entre outros, o croata Tonci Stipanovic (quarto do mundo), o francês Jean Baptiste Bernaz (13.º) e cipriota Pavlos Kontides (nono). Robert Scheidt não participou e o carioca João Pedro Oliveira terminou como segundo melhor brasileiro, em sexto, logo à frente do catarinense Alex Veeren.

TÊNIS DE MESA – Hugo Calderano segue muito bem na Liga Alemã. Nas últimas semanas, venceu o alemão Lars Hielscher (número 155 do ranking) e o croata Frane Kojic (208º). Gustavo Tsuboi jogou duas vezes pelo seu clube e perdeu ambas.

CICLISMO DE ESTRADA – Em prova de nível técnico questionável, Ana Paula Polegatch, da seleção brasileira, venceu o Desafio Tour do Rio, em Rio das Flores (RJ), com 12 minutos de vantagem sobre a mountain-biker Roberta Stopa – um exagero para uma prova de 1h30min. A garota Ana Paula Casetta, de 18 anos, estreou na elite com o bronze.

ESGRIMA – O ano não começou empolgante para o Brasil na esgrima. Individualmente, só três atletas somaram pontos no ranking mundial no ano – os 64 melhores de cada Copa do Mundo pontuam. Guilherme Toldo (dois, no florete), Rayssa Costa (dois, na espada) e Giulia Gasparin (um, no sabre) ganharam pontos. Por equipes, o Brasil foi 18.º (de 24) em Barcelona na espada feminina e 16.º (de 25) em Paris no florete masculino. Em 12.º lugar no ranking, o time masculino do florete, hoje, teria vaga na Olimpíada.

CICLISMO DE PISTA – O Brasil não teve bons resultados na última das três etapas da Copa do Mundo na temporada 2014/2015. Gideoni Monteiro foi 23.º (penúltimo) no Omnium, Flávio Cipriano terminou em 33.º (entre 39) no sprint e em 19.º (de 28) no Keirin.

Hoje, Cipriano é o 31.º do ranking mundial do sprint e 29.º no Keirin, brigando pela vaga olímpica. Para ele, as linhas de corte são, respectivamente, o 26.º e 18.º lugares – os critérios são complexos de se explicar. Gideoni ocupa o 32.º lugar do ranking no Omnium e hoje a linha de corte é a 30.ª posição.