Brasil fecha natação em Santiago com 18 de ouro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil fecha natação em Santiago com 18 de ouro

Demétrio Vecchioli

10 de março de 2014 | 22h19

Satiro Sodré/CBDA

Não dá exatamente para dizer que o Brasil teve um bom dia nesta segunda-feira em Santiago, nos Jogos Sul-Americanos. Venceu provas em que era favorito (argolas, salto, revezamentos, 400m medley, etc), mas não conseguiu resultados expressivos em outras provas. A exceção, para confirmar a regra, é Matheus Santana, em história que você pode ler aqui.

Além do ouro do garoto de 17 anos nos 100m livre, o Brasil ganhou outras cinco medalhas de ouro nas piscinas: Graciele Herrmann (25s26) nos 50m livre, Henrique Barbosa (2min15s42) nos 200m peito, Thiago Pereira (4min23s15) nos 400m medley, além dos revezamento 4x100m livre no masculino e 4x100m medley no feminino.

Veja também: ‘Novo Cielo’ supera diabetes, vira top10 do mundo aos 17 e é o destaque de Santiago

E ainda teve medalhas com Alessandra Marchioro nos 50m livre, completando a dobradinha brasileira, Tales Cerdeira, nos 200m peito, também fazendo dobradinha, prata e bronze nos 100m costas, com Etiene Medeiros e Natalia de Luccas, e bronze de Thiago Simon nos 400m medley.

No total, a natação brasileira ganhou 18 medalhas de ouro em 37 provas – quase a metade. O resultado, claro, não é ruim. Mas, como comparação, haviam sido 28 em 2010, nos Jogos de Medellín. Principalmente nas provas feminina e nas de fundo ainda deixamos muito a desejar.

Opinião: Cielo no Minas e a polêmica: falta apoio aos campeões?

GINÁSTICA ARTÍSTICA – Jade voltou com tudo. Nesta segunda, venceu o salto, sua especialidade, com 14.599, nota que lhe valeria o quinto lugar no Mundial do ano passado. Isabelle Cruz fez prata, com 14.033. Nas barras assimétricas, Jade ainda foi segunda colocada, com 13.200, atrás da colombiana Bibiana Velez. A nota, porém, é fraca.

No masculino, Arthur Zanetti mostrou mais uma vez que não sabe brincar e venceu nas argolas com 15.900, nota que nenhum outro atleta consegue alcançar no mundo. No solo, os dois brasileiros (Arthur Nory Mariano e Lucas Bitencourt) foram mal e terminaram enter os últimos. Já no cavalo com alças, prata para Pericles Silva e bronze para Francisco Barretto.

LUTA – Não há como levar a sério a festa da CBLA pelo Twitter cada vez que um brasileiro ganha uma medalha (de bronze) na luta. Nesta segunda não foi diferente. É preciso admitir: os resultados estão péssimos. Hoje foram mais três de bronze, completando cinco bronzeadas em 12 disputas masculinas entre a luta livre (realizada nesta segunda) e a greco-romana (foi no sábado). Isso em nível sul-americano, apenas.

As medalhas vieram com Wellington Silva (57kg, perdeu feio de um chileno, venceu um boliviano no desempate), Rafael Jesus (74kg, ganhou duas lutas, perdeu uma, na semifinal) e Adrian Jaoude (86kg, mesma campanha de Rafael). De resto, Waldeci Sousa (65kg), Hugo Oliveira (125kg) e Juan Bittencourt (97kg) só perderam.

COLETIVOS – O handebol masculino ganhou a segunda, agora sobre o Uruguai, por 37 a 19. No futebol feminino, 5 a 0 na Venezuela. No hóquei sobre a grama, as mulheres levaram 5 a 0 do Chile.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: