As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil luta por medalha na Copa do Mundo de Golfe mas tem final ruim

Demétrio Vecchioli

25 de novembro de 2013 | 09h56

O formato de classificação olímpico do golfe foi testado neste fim de semana na Copa do Mundo, em Melbourne (Austrália). Mais uma vez muitos dos melhores do mundo não participaram, mas o número 2, o australiano Adam Scott, estava lá e foi campeão tanto no individual quanto nas duplas. Apenas quatro dos vinte melhores do ranking se inscreveram.

Pelo regulamento, poderiam jogar a competição os 15 primeiros do mundo, com limite de quatro por país. A partir do 16.º, dois por país, até completar o número de 60 participantes. 

Quem levou pelo menos dois golfistas teve o direito de participar também da disputa por duplas, que ainda é dúvida para os Jogos do Rio/2016. Nela, vale o desempenho do melhor do país em cada rodada.

O Brasil levou dois golfistas para Melbourne. Adilson da Silva, que joga o Circuito Africano, foi por méritos próprios, digamos assim, sendo o  253º colocado do ranking mundial. Alexandre Rocha, o 402º, que segue no Web.com Tour, conquistou a vaga por conta das desistências. Ele era o primeiro reserva, mas teria a vaga no sistema olímpico (os britânicos jogaram cada um por seu país, mas na Olimpíada seriam todos da Grã-Bretanha).

A competição, que distribui o mesmo número de pontos dos quatro Majors do golfe e tinha premiação de 8 milhões de dólares, começou boa para os brasileiros. Por equipes (que é o que sempre contou na Copa do Mundo) foram 11.º no primeiro dia, 10º no segundo e fecharam o terceiro dia na sexta posição, a três tacadas do bronze.

Mas, no último e decisivo dia, tanto Adilson como Alexandre foram mal e o Brasil despencou para a 21ª posição entre 26 equipes. Na disputa individual (que foi realizada pela primeira vez na Copa do Mundo), Alexandre foi o 42º e Adilson o 44º.

OUTROS BRASILEIROS – O PGA Latino-Americano do Chile (acesso ao Web.com Tour), neste fim de semana, foi bom para dois brasileiros. Daniel Stapff terminou em oitavo e teve o segundo Top10 da carreira. Já Rafael Becker, que se profissionalizou há pouco tempo, vindo da NCAA, terminou empatado em 20.º, seu melhor resultado na curta carreira.

Lucas Lee e Philippe Gasnier disputaram seletivas para cartões condicionais do Web.com Tour, na Flórida, e precisavam ficar entre os 20 primeiros de seus torneios. Lee terminou empatado em 32.º. Gasnier desistiu antes do último dia, já sem chances.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.