As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiras têm campanha quase perfeita em Almaty

Demétrio Vecchioli

01 de outubro de 2013 | 00h45

Mariana Barros

Não falta dinheiro à CBJ e ela aproveita isso da melhor forma possível. Tem como filosofia que o intercâmbio é a chave do sucesso. Por isso, aproveita também a farta mão de obra para enviar atletas a tudo quanto é competição e colher os frutos disso. Em Almaty (Casaquistão), nesse fim de semana, foram nove medalhas com o time reserva.

Isso porque o Grand Prix, mesmo distribuindo 300 pontos ao campeão (o mesmo que uma prata em Grand Slam!!), atraiu pouquíssima gente. Na categoria mais cheia, 15 inscritos. No feminino, o recorde foi 11. E sempre com quatro do Casaquistão em cada chave.

As brasileiras aproveitaram e foram quase perfeitas. Foram duas finais e uma semifinal nacional. Ketleyn Quadros venceu a naturalizada Israelense Camila Minakawa na até 57kg. Na problemática categoria até 63kg, Mariana Barros levou a melhor sobre Mariana Silva. Cada uma fez apenas três lutas.

Na até 70kg, o encontro foi na semifinal. Nadia Merli venceu Barbara Timo. Acabou com o ouro e viu a flamenguista ficar com o bronze. A campanha feminina só não foi perfeita porque Raquel Silva perdeu da belga Ilse Heylen (hoje nona do mundo) na semi e terminou com o bronze na até 52kg.

No masculino, o resultado foi muito ruim. Diego Santos perdeu de dois casaques e ficou sem medalha na até 60kg. Leandro Cunha (até 66kg) caiu diante de atleta do Usbequistão logo na estreia e aumentou as dúvidas sobre sua permanência na seleção.

Eduardo Bettoni (até 90kg) foi até a semifinal com uma vitória, mas sofreu duas derrotas na sequência e ficou sem medalha. Rafael Buzacarini (até 100kg) chegou à final com duas vitórias, mas terminou com a prata, derrotado por um atleta da casa. David Moura ainda foi bronze na +100kg.

Quem salvou a campanha foi Alex Pombo. Com Bruno Mendonça na berlinda, ele aproveitou bem a chance e foi campeão da categoria até 73kg.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.